segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Momento lírico 402

ATLÂNTIDA, A CIVILIZAÇÃO SUBMERSA
(Karl Fern)

No início das eras existia
Vasto lendário continente
Terra em que toda gente
Gozava constante alegria
Vivia com paz e harmonia
Em felicidade permanente.

Contam ficava em frente
Ao Portal do grande mito
Hércules, o forte bendito
No Sol Atlântico nascente
Bem longe do continente
Dentro do oceano infinito.

Mitológico paraíso bonito
Paisagens lindas e divinais
Exóticos e dóceis animais
Não existia algum conflito
Fraternidade um veredito
Entre todos seus mortais.

Templos e palácios reais
Ficavam de portas abertas
Tinham paredes cobertas
Ouros e preciosos metais
Amados de deuses abissais
A quem rendiam ofertas.

Lá pessoas viviam libertas
De invejas e preconceitos
Nunca perdiam respeitos
Nada de atitudes secretas
Artes e ciências concretas
Progrediam sem defeitos.

Palco de gratos conceitos
Originado do amor bonito
Do deus abissal por Clito
Virgem de dotes perfeitos
Com os mimosos trejeitos
Dominou coração do mito.

Com seu amor circunscrito
Vários gêmeos nasceram
Como divinos cresceram
Poder de deuses irrestrito
Na parte central o distrito
Sempre o pai obedeceram.

Posêidon e clã protegeram
Aquele lugar maravilhoso
Deram um metal luminoso
O tal oricalco conheceram
Belos esculturas teceram
Findo tudo mais formoso.

Mas este mundo fabuloso
Foi então vilmente tocado
Seu povo ficou dominado
Por um caráter ganancioso
Sonhando mais poderoso
Com além-mar subjugado.

Criaram exército armado
Para somarem conquistas
Por terras ainda não vistas
Pra seu território anexado
Ganância deitou seu brado
Chocando deuses maristas.

Envaideceram-se artistas
Sábios perverteram razões
Vieram orgulho e ambições
De paz e harmonia revistas
As inocências situacionistas
Esvaíram-se em corrupções.

Diante de tais revoluções
Poseidon tornou-se irritado
Um corretivo foi acordado
Pelos deuses em reuniões
Entre maremotos e furacões
Todo território foi inundado.

Pra sempre foi afundado
Nas profundeza sumiram
Sereias e nautas surgiram
No reino posidônico criado
E d’um longínquo passado
Muitas lendas construíram!

Obras mitológicos porviram
Crendices e leitura dispersa
Literatura e na arte diversa
Mentes criativas incutiram
Vestígios imaginários fluíram
Atlântida, a lenda submersa!