domingo, 22 de fevereiro de 2015

Disfunção erétil - Tratamento

O uso e o abuso dos medicamentos para disfunção erétil na atualidade tem sido muito comum. Os medicamentos para tratamento desse tipo de problema são considerados até hoje uma verdadeira revolução. Hoje, o urologista é capaz de resolver cerca de 70-80% dos casos da doença.
Com o grande avanço destas drogas no mercado e a facilidade de acesso às mesmas, surgiram muitos temores relacionados aos danos à saúde que podem provocar, na sua maioria, infundados. A real contraindicação destas drogas é o uso concomitante com medicamentos que possuem nitrato, podendo ser até potencialmente fatal, mas a maioria dos pacientes hipertensos, diabéticos, pós-infarto, pós-avc e com arritmias não tem contraindicação ao uso para tratamento da disfunção erétil, sendo, sempre, bem acompanhados, pelo urologista e cardiologista.
No entanto, uma discussão importante sobre o tema deve ser levantada: o uso indiscriminado destas drogas sem indicações médicas, ou seja, apenas “recreacional”, poderá trazer consequências a saúde física e/ou psíquica dos seus usuários?
Uma ressalva importante nessa discussão é que muito frequentemente o paciente apresenta disfunção erétil e não assume o diagnóstico pra si mesmo, nem para seu médico, fazendo o uso “recreacional” e afirma, erroneamente, que é apenas pra da uma “turbinada” na relação. Essa prática de “automedicação” não é aconselhada, já que o paciente não terá seu problema de saúde investigado, e portanto, não poderia ser corrigido, evitando danos à saúde.
Lembrar que a disfunção erétil pode ser consequência de uma doença sistêmica, como o diabetes mellitus, que o mesmo desconhece e, ao tomar o medicamento, perde a oportunidade de fazer o diagnóstico desta doença, podendo levar a danos em outros órgãos, como perda da visão e da função renal. , também, que a disfunção erétil de origem vascular pode ser uma indicação para a ocorrência de infarto agudo do miocárdio.
Assim, pacientes que não procuram atenção médica para tratamento da disfunção erétil deixam de ter seu problema avaliado e, com isso, não descobrirem que têm tais doenças e não atuar de forma preventiva adequadamente.
Fonte: JARQUES LÚCIO CRM 6161 Urologista
(http://www.saobentoemfoco.com.br/colunistas/saude/o+uso+e+o+abuso+das+medicacoes+para+disfuncao+eretil+na+atualidade-41