terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Momento lírico 323


UMA JANELA PARA O CÉU
(Karl Fern)

Contemplando o céu infinito
Muito além da observação
Confunde-se meu coração
No silêncio puro e inaudito
Ouço um melancólico grito
Perturbando a imaginação!

Surfo na angústia da solidão
Apanhado no olhar perdido
Por entre astros escondido
Pelos confins da imensidão
Transmutado pela escuridão
Em pulsações sem sentido!

E no pensamento recolhido
Do passado de sublimidade
Ressoam ecos de felicidade!
E vendo o infinito, comovido
Sinto meu corpo envolvido
Em um vendaval de saudade!


É mesmo assim!


Momento lírico 322

CANDELABRO DE PAIXÃO
(Karl Fern)
Chegaste como gracioso acalento
Quando tudo girava em desencanto
Apareceu pera afogar meu pranto
Como um sopro de dadivoso vento
Ungiu-me com insinuante linimento
Recobriu-me com radiante manto.

Como estribilho de insigne canção
Envolveu-me quando pra mim sorria
Como uma aragem de rosas que fluía
Perfumando meu felizardo coração
Por entre beijos de indomável paixão
Um candelabro de abraços me cingia.

E agora que te tenho ao meu lado
Sigo preso ao teu encanto sedutor
Nossos beijos têm crescente sabor
Teus carinhos nunca me dão enfado
Contigo eu não lembro do passado
Tudo que penso é viver este amor!