quarta-feira, 16 de julho de 2014

Momento lírico 285

VOLTA LAMPIÃO!...
 (Karl Fern)

No meu tempo de criança
Imberbe e ainda inculto
Desejava tornar-me adulto
A minha maior esperança
Isto me vem na lembrança
Como se vendo meu vulto.

Imaginava planos inocentes
Queria ser homem sabido
Viver num mundo remido
De paz com todos viventes
Livre de maldades dolentes
E por todos sendo querido.

Eis que juventude chegou
Passei em busca do futuro
Tornei-me homem maduro
O tempo assim caminhou
O que o menino imaginou
Sumiu, veio trevas e escuro.

Hoje ruge medo e violência
Pessoas só querem dinheiro
Genial é ser trambiqueiro
Não mais existe consciência
O povo perdeu a decência
Só interessa ser o primeiro.

Não há o mínimo respeito
Nem fraternidade ao irmão
Finou-se o sentido de razão
Na suja inversão do direito
Gente mandando satisfeito
Dinheiro para salvar ladrão.

Aqueles sonhos de menino
Perderam-se na imaginação
Agora só vive bem o rufião
Cadê um capitão Virgolino
Pra pegar esse tal Genoíno
E capar seu saco com facão!

Ah se o capitão ressuscitasse
Saísse das brenhas do sertão
Valente virado num cancão
E pra quebrar aqui botasse
Essa matilha escorraçasse...
Jesus, devolve-nos Lampião!