quinta-feira, 27 de março de 2014

Conjuntivite

Coceira e vermelhidão são os primeiros sinais dessa doença, que pode ainda causar inchaço e sensação de lacrimejamento. Ela pode ser provocada por uma reação do olho a produtos de higiene, por exemplo, mas as causas mais comuns são vírus e bactérias. O tipo bacteriano é mais comum de pegar na piscina ou ao colocar a mão suja no olho e pode causar até secreções nos olhos. Já o viral pode vir junto com a gripe.
Existe ainda a conjuntivite causada pelo vírus do herpes ocular. Os oftalmologistas alertam para o risco de se automedicar com qualquer colírio, o que pode levar a consequências muito graves para a visão. Como existem diversos tipos de conjuntivite e todas exigem um tipo diferente de tratamento, então é fundamental descobrir sempre a causa.
Se for para aliviar os sintomas, por exemplo no caso de vírus, é melhor usar o colírio de lágrima artificial. No caso da conjuntivite bacteriana, precisa ser um colírio de antibiótico. De qualquer maneira, é fundamental tomar cuidado na hora de usar o produto. O correto é lavar as mãos antes, pingar apenas uma gota e no centro do olho, não no canto.
Resíduos de maquiagem também são uma das causas mais comuns de conjuntivites. As do tipo alérgico, irritações causadas pelo contato dos produtos com a superfície ocular, podem, claro, ser dribladas com o uso de produtos antialérgicos. E há as que acontecem quando bactérias que estavam nas mãos passam para os olhos, muitas vezes na hora de pintá-los. Tirar os produtos dos olhos também evita terçol. Restos de make podem ir se acumulando até impedir que os cílios cresçam e, assim, causar inflamações.
Fontes: G1 e outros

Dicas de higiene

    Nas atividades diárias que aumentam a chance de você ter uma doença, corrimões, telefone celular e até mesmo o happy hour não escapam da transmissão de vírus e bactérias. Tudo o que existe está absolutamente recoberto de bactérias - inclusive você, por dentro e por fora. No entanto, nem todas as bactérias causam doenças, sendo algumas inclusive benéficas e essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo. Mas quando pensamos nos micro-organismo patogênicos - que tem potencial de transmitir doenças - a boa higiene é fundamental para mantê-los longe.
 Nem sempre a pessoa sucumbirá ao patógeno, ainda que seja exposta à doença. E também não é todo o vírus que pode ser transmitido durante o dia a dia, pois nem todos sobrevivem muito tempo fora do corpo humano. No geral, a gripe e os resfriados são mais facilmente transmitidos de uma pessoa para outra, principalmente no inverno, e existem algumas atividades muito comuns em nossa rotina nas quais estamos expostos a isso e nem percebemos. Exemplos:
1 - Telefones públicos, teclados e telas sensíveis ao toque;
2 - Corrimões e maçanetas;
3 - Cédulas e moedas;
4 - Ônibus, trem e metrô;
5 - Aparelhos e banheiro de academias;
6 - Balada e happy hour ;
7 - Consumir uma dieta pobre em vitaminas e minerais e rica em gorduras, açúcar, sódio e conservantes, o que enfraquece o sistema imunológico.
Além de uma alimentação saudável, evitar aglomerações, não consumir álcool e ter sono regular, o melhor modo de evitar essas ocorrências é não dividir objetos de uso pessoal (talheres, toalhas, travesseiros) e lavar as mãos com mais frequência durante os períodos exposto a uma das situações acima.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter