segunda-feira, 17 de março de 2014

Momento lírico 256

ORFEU & EURÍDICE
(Karl Fern)

Orfeu, mito grego flautista
O perfeito poeta mortal
Com dom divino e natural
O mais completo musicista
Tocava sua arte benquista
Um som suave e magistral
Jamais existira um igual
Com tão sublime melodia
Tornou a música fantasia
Enlevava deuses do Olimpo
Ao canto sonoro e limpo
Até deus Júpiter se rendia.

Por Eurídice viu-se rendido
Da Trácia perfeita donzela
Entre solteiras a mais bela
Era um amor correspondido
Um romance embevecido
Com as núpcias marcadas
Duas almas apaixonadas
O protótipo da felicidade
Um amor para eternidade
A música unida à beleza
Virtudes reais da natureza
Na lúdica vida sem maldade.

Mas o demoníaco Aristeu
Com seu desejo infernal
Brotou pra compor o mal
O pior pra ela aconteceu
Fugindo uma cobra a mordeu
Caiu mortalmente ferida
Pagou beleza com a vida
Pra desespero do amado
Que num gesto desesperado
O mundo dos mortos desafiou
Com suas canções encantou
O escuro mundo sepultado.

No seu resgate atendido
Com uma fatídica condição
Que durante a condução
Por todo retorno temido
O túnel das trevas vencido
Não poderia olhar pra ela
Pois nem a canção mais bela
Poderia reverter este ato
Perderia pra sempre de fato
A vida de infeliz amada
E não restaria mais nada
Não haveria mais contato.

Já próximo à luz do dia
Quase no ressuscitamento
Por brevíssimo momento
Quis ver se ela o seguia
E o preço de sua ousadia
Revelou-se imediatamente
Ainda avistou num repente
O perfil de Euridice se indo
Todo seu sacrifício findo
Apesar do seu desespero
Pagou caro o seu exagero
Tristeza foi-lhe consumindo.

E até o seu dia de finado
Cantou canções de saudade
Partiu para a eternidade
O corpo no Hebro jogado
Onde juravam ter escutado
Por um longo tempo ainda
A flauta e sua música linda
Sob uma voz clara e forte
Clamando como com sorte
“Eurídice, Euridice querida!”
E assim renasceu pra vida
Um amor maior que a morte!

Caixa de gordura (II)

Texto elaborado por Carlos Fernandes com base na NBR 8160 / ABNT
1. Tipos
As caixas de gordura - CGx - devem ser dimensionadas levando-se em conta o que segue:
a) para a coleta de apenas uma cozinha, pode ser usada a CGx pequena ou simples;
b) para a coleta de duas cozinhas, pode ser usada a CGx simples ou a dupla;
c) para a coleta de três até 12 cozinhas, deve ser usada a CGx dupla;
d) para a coleta de mais de 12 cozinhas, ou ainda, para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais, quartéis, etc., devem ser previstas CGx especiais.
2. Formas
As CGx devem ser divididas em duas câmaras, uma receptora e outra vertedora, separadas por um septo não removível.
3. Dimensões
As dimensões mínimas das CGx podem ser as seguintes:
a) pequena (CGP), cilíndrica
1) diâmetro interno: 0,30 m;
2) parte submersa do septo: 0,20 m;
3) capacidade de retenção: 18 L;
4) diâmetro nominal da tubulação de saída: DN 75;
b) simples (CGS), cilíndrica
1) diâmetro interno: 0,40 m;
2) parte submersa do septo: 0,20 m;
3) capacidade de retenção: 31 L;
4) diâmetro nominal da tubulação de saída: DN 75;
c) dupla (CGD), cilíndrica
1) diâmetro interno: 0,60 m;
2) parte submersa do septo: 0,35 m
3) capacidade de retenção: 120 L;
4) diâmetro nominal da tubulação de saída: DN 100;
d) especial (CGE), prismática de base retangular:
1) distância mínima entre o septo e a saída: 0,20 m;
2) volume da câmara de retenção de gordura obtido pela fórmula: V = 2 N + 20, onde:
- N é o número de pessoas servidas pelas cozinhas que contribuem para a caixa de gordura no turno em que existe maior afluxo;
- V é o volume, em litros.
3) altura molhada: 0,60 m;
4) parte submersa do septo: 0,40 m;
5) diâmetro nominal mínimo da tubulação de saída: DN 100.


Desenho Carlos Fernandes

Dicas contra ladrões!

Seja mais esperto que os bandidos e esteja mais alerta “não dando sopa pra o azar”! Veja algumas dicas aqui:
Celulares - O ideal é não atender o telefone no ônibus ou na rua e retornar a ligação quando possível. Mas, caso o telefonema seja realmente urgente, o mais importante é guarnecer a retaguarda, ficando de costas para uma parede ou uma vitrine, por exemplo;
Dinheiro - Espalhar os pertences é fundamental, pois num assalto, a abordagem precisa ser rápida e o ladrão não vai ter tempo de vasculhar todos os seus bolsos. Bolsos internos costurados nas roupas também podem evitar prejuízos;
Roupas - Não chamar a atenção para si. A roupa adequada ao local ajuda a ser mais discreto e passar despercebido para os possíveis ‘observadores’;
Na rua - Esteja alerta todo o tempo sem ser neurótico. Se perceber a aproximação a tempo, uma mudança de atitude, de direção, de velocidade, pode levar o sujeito a relutar e se virar para outro alvo. O importante é não se deixar surpreender;
Caixas eletrônicos - Evite os dos shopping centers na tarde de sábado, ou outro local que favoreça a aglomeração de muita gente. Antes de começar a digitar seus dados, observe em volta. O que importa não é a aparência, mas a postura das pessoas que estão na fila. Olhares nervosos, posicionamentos ligeiramente fora da linha... E não oculte apenas o teclado! Preocupe-se também com a tela, que exibe dados interessantes para os bandidos, como o seu saldo;
Bares e restaurantes Para fugir dos arrastões e furtos oportunistas de bolsas procure as casas que tenham boa iluminação e câmeras espalhadas. São fatores que desestimulam o ladrão.
Fonte: REVISTA SELEÇÕES (matéria resumida)