sábado, 8 de março de 2014

Momento lírico 252

RASTRO AMARGO
 (Karl Fern)

Da desconfiança medonha
Gerou a esperança fugidia
E o que pareceu algum dia
Ser uma realidade risonha
Deixou a lágrima tristonha
De uma contrição doentia!

O que de tão brilhante luzia
Revolvia-nos de felicidade
Não pôde resistir à maldade
Da incompreensão tardia
A confiança que se carecia
Ruiu no fio da emotividade.

Onde houve cumplicidade
Tantas e ilimitadas loucuras
Demonstrações de ternuras
Morreram com a insanidade
Assim só restou de verdade
Rudes pegadas de amarguras!

Domingo de carnaval

      Domingo de carnaval (02/03/2014) entre amigos no John Rock’s Bar, em Jardim do Seridó, com “Chico de Manoel de Rita e os Teimosos do Forró”! Só forró pé-de-serra e marchinhas dos velhos carnavais, entre elas Cabeleira do Zezé, Jardineira, Mamãe eu quero, Allah-la Ô, Cidade Maravilhosa, Cachaça, As águas vão rolar, Daqui não saio, Chiquita Bacana, Thaí (a meu pedido!), Linda Morena, Ó Abre Alas, Aurora, Saca-Rolha, Sassaricando, Tomara Que Chova, Coração Corinthiano, Touradas em Madri, Me dá um dinheiro aí e várias outras que não consigo lembrar no momento. Diversão e alegria inesquecíveis!