terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Roupas alérgicas

Normalmente quem tem alergia a determinados tecidos sofre para aliar aparência com conforto. Mas é perfeitamente possível vestir trajes elegantes, excluindo a possibilidade de desconfortos e alergias, bastando apenas que escolher o tecido correto.  Algumas dicas podem ajudar a evitar crises alérgicas dérmicas relacionadas à tecidos de roupas. Acompanhe, a seguir, algumas dicas especiais de como evitar dermatite de contato e confira os melhores tecidos para alérgicos.
1 - Tecidos alérgicos
Os tecidos sintéticos como couro sintético, acetato, poliéster e polivinílicos devem ser evitados pelos alérgicos, excluindo problemas com dermatite de contato. Estes tecidos não absorvem a umidade do corpo, provocando um desconforto intenso ao serem vestidos, além de possuírem toque áspero.
2 - Opções Antialérgicas
As melhores opções são aquelas que possuem etiquetas de antialérgica ou os tecidos naturais como algodão, juta, cânhamo e sisal. Os tecidos artificiais como viscose, náilon e cetim devem ser utilizadas apenas após um teste de alergia, que pode ser feito em consultório. É necessário ressaltar que os sintomas de uma dermatite de contato podem variar de pessoa para pessoa, indo desde à coceira branda até comichões intensos que provocam vermelhidão.
3 - Problemas respiratórios
Outro incidente extremamente comum entre os alérgicos são os problemas respiratórios provocados pelo acúmulo de poeira e ácaros dentro do guarda-roupa, nas cortinas e carpetes. É necessário evitar a colocação de tapetes em locais onde há grande quantidade pó e impurezas oriundas de ruas e avenidas. Se não for possível evitar a colocação de carpetes e tapetes, faça a limpeza a cada dois dias com um aspirador de pó.
4 - Dermatite de contato
Além de escolher os tecidos corretos, deve-se evitar certos produtos no momento de lavar a peça. Sabões em pó, amaciantes e outros tipos de produtos podem conter elementos geradores de alergia intensa na pele. O ideal é fazer a lavagem apenas com sabão neutro e água fria.
5 - Crises de alergia
Se houver uma crise alérgica, é necessário procurar um médico especializado para verificar a causa do problema. A administração de medicamentos antialérgicos podem diminuir o desconforto provocado pelos tecidos, mas só devem ser prescritos após consulta e diagnóstico preciso. Lembre que utilizar os tecidos corretos evita diversos problemas, como coceira, vermelhidão e a necessidade do uso de medicamentos.
Fonte: Yahoo Mulher



Cuidados com a roupa íntima

A peça mais sensual no guarda roupa de uma mulher, a ‘cereja do bolo’, capaz de apimentar uma relação, requer atenção especial com a higienização. A roupa íntima deve ter tratamento diferenciado na hora de lavar e secar para garantir a saúde feminina. Higienização incorreta pode causar alergias e infecções. Independentemente da forma escolhida, é preciso respeitar o processo de secagem da peça. Vejam estas recomendações:
1 - Lavagem separada
Na lavagem, a roupa íntima deve ser separada das outras. A regra sobre a lavagem no chuveiro é simples. Pode! Desde que seja respeitado o processo de secar ao sol ou qualquer outro ambiente com ventilação e bem longe do banheiro. O chuveiro é bom porque além de a água ser morna, é corrente. Mas a peça deve ser lavada com o produto certo e nunca permanecer no box. Ao final do banho, é preciso pendurar no varal.
2 - Não usar sabonete
O ideal é usar detergentes específicos para roupa íntima ou sabonetes líquidos, sem muita cor ou cheiro. “No geral, os produtos devem ter o PH neutro, sobretudo os usados na região íntima. Os mais recomendados são os líquidos, sem perfume e corante, para evitar alergias. Sabão de coco ou outros utilizados para este tipo de lavagem são os mais adequados. É bom evitar o sabão de pedra, que junta microorganismos ao ficar em contato com outros tecidos ou em um ambiente úmido. O sabão em pó também é ruim, porque se não for bem enxaguado, pode sobrar algum resíduo na peça. Amaciante é totalmente desnecessário, pois tem muito perfume.   
3 - Máquina de lavar
Para evitar quaisquer tipos de infecções vaginais ou corrimentos, os cuidados têm de ser redobrados quando a lavagem é feita na máquina de lavar. Primeiramente, a roupa íntima deve ser separada de qualquer outra e só pode ser colocada de molho e depois de tirar toda a sujeira. E tem de ser lavada no mesmo dia. Além disso, a máquina deve ser higienizada antes. Pode ser apenas com água, para tirar os resíduos.
4 - Tecidos diferentes
Outra sugestão importante é não misturar os tecidos de algodão com os de lycra, cada uma exige um cuidado, e separar as cores na hora de lavar. A atenção deve ser a mesma depois de recolher as peças. Não precisa exagerar, mas não custa nada passar o ferro na parte da calcinha que tem o contato direto com a vagina. Isso vai garantir que sejam eliminados todos os fungos.
5 - Higiene pessoal
É importante lembrar que para se proteger de qualquer tipo de infecção, não basta somente que a roupa íntima esteja bem cuidada, é preciso ter os mesmos cuidados com a higiene pessoal. A má higiene na região íntima facilita a contaminação. Desde os problemas mais simples como corrimentos, até doenças sexualmente transmissíveis e infecção de urina podem ser causadas se a higienização não for correta. No caso das mulheres, é preciso mais cuidados porque estamos falando de um órgão interno. Mas são hábitos simples como: trocar o absorvente a cada quatro horas, lavar adequadamente e com o sabonete líquido, de preferência, e neutro. Mas tem de haver equilíbrio, pois a oleosidade e pelos são proteções naturais do corpo.
Fonte: Yahoo Mulher