segunda-feira, 31 de março de 2014

Impurezas das águas naturais

Não há água pura na natureza devido a seu alto poder de dissolução de gases, corantes, coloides, sais, etc. Este poder químico faz com que a água seja denominada de solvente universal. Devido a esta efetiva propriedade de solvência e ao seu alto poder de transportar partículas em seu meio, podem ser encontrados diversas impurezas que normalmente definem sua qualidade. Essas impurezas podem ser agrupadas da seguinte forma:
•    em suspensão: algas, protozoários, fungos e vírus; vermes e larvas; areia, argila e silte; resíduos industriais e domésticos;
•    estado coloidal: corantes vegetais, sílica e vírus;
•    em dissolução: sais de cálcio e magnésio (bicarbonatos, carbonatos, sulfatos ou cloretos), sais de sódio (bicarbonatos, carbonatos, sulfatos fluoretos e cloretos), óxidos de ferro e manganês, chumbo, cobre, zinco, arsênico, selênio e boro, iodo, flúor e compostos fenólicos;
•    substâncias albuminoides: nitratos e nitritos, gases (O2 , CO2 , H2S, N).
Estas impurezas na realidade e de uma forma conceitual mais ampla, conferem a água suas características químicas, físicas e bacteriológicas, características estas que informam os parâmetros de qualidade da água. As características químicas são conferidas através da presença em maior ou menor intensidade tanto de matéria orgânica como de inorgânica, enquanto que as físicas são consequência da presença de sólidos, que podem estar em suspensão (exemplo silte e argila), dissolvidos (exemplo coloides) ou em solução (exemplo sais e corantes). As características biológicas são inerentes a presença de seres vivos ou mortos, principalmente de vida microscópica animal e vegetal, moneras, protistas e vírus.
NOTA: Robert Harding Whittaker (1924 - 1980), biólogo, botânico e ecologista americano nascido em Wichita, Kans, propôs (1969) a nova classificação dos organismos em cinco reinos: Monera (as bactérias e os cianófitos, ou seja, todos os procariontes), Protista (protozoários, euglenófitos, pirrófitos, crisófitos e mixomicetos), Fungi (todos os fungos), Plantae ou Metaphyta ou Reino Vegetalia (todos os  vegetais) e Metazoa ou Animalia (todos os animais). Os vírus (em latim = veneno) por suas particularidades tão incomuns, não foram até hoje definidos como seres vivos ou não. Há uma tendência de considerá-los como organismos sem estrutura celular.
Fonte: ABASTECIMENTO SE ÁGUA (Carlos Fernandes/1995)

Estresse

Já lhe aconteceu que após tomar um susto, você sente o coração bater forte, a respiração rápida, os músculos tensionados, o raciocínio acelerado? Estresse é isso, uma reação normal de nosso corpo ativada pela sensação de perigo, cujo objetivo é canalizar toda a sua energia para fugir ou lutar até o retorno à segurança, após o que você provavelmente desabará exausto(a), sonolento(a) e mole. Estresse deste tipo, com começo, meio e fim, não causa problemas em pessoas saudáveis.
O estresse perigoso é aquele que perdura e isto é possível por que não diferenciamos entre realidade e imaginação. Por exemplo: você já se exaltou ao se imaginar discutindo com alguém? Ou acordou completamente encharcado de um pesadelo? Do mesmo modo, para seu corpo, insegurança profissional difere de um ataque de canibais apenas no fato que dos canibais é mais fácil fugir.
Ao mudar o funcionamento do corpo do modo "rotina" para o modo "combate", o estresse altera toda a fisiologia do seu corpo. Mudam as prioridades, o balanço hormonal, a bioquímica. A maior parte de sua energia é canalizada para músculos e cérebro, em detrimento dos sistemas de vigilância, controle e manutenção rotineiros que passam a segundo plano. É por isso que nestas situações é comum observarmos a recidiva do herpes, a descompensação do diabetes e a exacerbação das doenças autoimunes, inflamações e alergias.
Portanto muito cuidado, pois eventualmente o estresse leva o organismo a apresentar desgaste progressivo e, o pior, na forma de infarto, AVC, crises hipertensivas ou outros problemas sérios.
Fonte: MINHA VIDA (via newsletter)                             

domingo, 30 de março de 2014

Polinização

A polinização é a transferência de grãos de pólen das anteras de uma flor para o estigma (parte do aparelho reprodutor feminino) da mesma flor ou de uma outra flor da mesma espécie. As anteras são os órgãos masculinos da flor e o pólen é a gameta masculino. Para que haja a formação das sementes e frutos é necessário que os grãos de pólen fecundem os óvulos existentes no aparelho reprodutor feminino.
A transferência de pólen para o estigma pode ocorrer das anteras para o estigma da mesma flor ou de flor diferente, mas na mesma planta (autopolinização) ou pode ser feita de uma flor para outra em plantas diferentes (polinização cruzada). O estigma é a área receptiva do pistilo das flores, onde o grão de pólen inicia a germinação do tubo polínico.
A transferência de pólen pode ser através de fatores bióticos, ou seja, com auxílio de seres vivos, ou abióticos, através de fatores ambientais, esses fatores pode ser: vento (Anemofilia), água (Hidrofilia); insetos (Entomofilia), morcegos (Quiropterofilia), aves (Ornitofilia).
As abelhas são consideradas polinizadoras profissionais por terem estruturas corporais especializadas na coleta e transporte de pólen. Há, no entanto, outros diversos animais que contribuem para esse importante serviço ecossistêmico, como besouros, borboletas, mariposas, moscas, pássaros e morcegos.
Todos os sistemas de polinização conhecidos estão presentes no Brasil, por ser um país de clima tropical. Alguns desses sistemas são abióticos, como é o caso da polinização pelo vento, mas a grande maioria é por agentes bióticos.
Embora grande parte das interações entre os animais e as plantas seja do tipo mutualista (com benefício para ambas as partes), estudos recentes têm mostrado que isso não é uma regra válida em todos os casos. Um dos exemplos citados é o da planta conhecida como papo-de-peru ( Aristolochia gigantea). A aparência e o odor da flor fazem com que a mosca acredite se tratar de um pedaço de carne. Ao chegar perto para botar seus ovos, ela percebe o engano, tenta escapar e acaba ficando presa. Depois que o pólen é liberado a mosca consegue sair, sem nenhum benefício com essa interação.
Além de pólen – fonte de proteínas – e de néctar – rico em açúcar –, os animais visitam as flores em busca de recursos como óleos, fragrâncias e resinas.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter

sábado, 29 de março de 2014

Momento lírico 260

JANELA DO TREM
 (Karl Fern)

Naquela janela envidraçada
Refletia-se fascinante beleza
Duplicava com toda clareza
A feição sublime e delicada
Que mesmo sem contar nada
Parecia-me ser uma certeza
Pela hábil mão da natureza
Sua face havia sido moldada!

Cabelos levemente bailavam
Enquanto o trem prosseguia
Um fascínio em mim acendia
Meus pensamentos vagavam
Mágicas canções ressoavam
Um perfil que a mim parecia
De intensa e divinal harmonia
Como os poetas imaginavam.

Joia preciosa e deslumbrante
Pelo divino artesão lapidada
Tinta numa redoma estrelada
Num ritual terno e palpitante
Fino e maravilhoso semblante
Em raios mímicos sombreada
Na nave do tempo encantada
Na face da paisagem mutante.

Como em um delicioso sonho
Qual se desperta de repente
Aquela moldura imponente
Foi-se num instante bisonho
Deixou-me frágil e tristonho
Era sua estação finalmente
Tal tela desfez-se docemente
Restou-me um suspiro risonho!

Momento lírico 259

TEMPOS MODERNOS
(Karl Fern)

A vida no interior do Seridó está diferente
Na área rural a comparação é mais patente
Não há mais interesse em trabalhar na roça
Se chove não se ver ninguém plantando nada
Só terreno carcado acompanhando a estrada
 Moto estacionada até mesmo numa palhoça

Sítios desmatados como um triste deserto
Tabuleiros brocados e nada cultivado perto
Não se planta nem se tem fruteira no oitão
Não há mais galinha gogó de sola ou pedrês
Patos e guinés no terreiro perderam sua vez
No água da cozinha não há um pé de limão.

O tradicional cultivador é coisa do passado
Ninguém quer saber de ter um boi amansado
O agricultor espera um trator cortar a terra
Se chover bem, talvez um pedaço ele plante
Se não colher o perdão do governo garante
Assim o galo canta e também o bode berra.

Não se vê mais uma horta verde no quintal
Nem couro de criação bem esticado no varal
Nem jumento, uma cangalha e seus cambitos
Muitas cercas em terrenos e seus barrancos
Que pode render alguns trocados dos bancos
Pra serem perdoados em tempos mais aflitos.

E nessa política paternalista o governo mata
Essa vigorosa força de trabalho flui em cascata
Vai viciando e matando esse incauto cidadão
Iludindo-o com politicagens, bolsas e comida
Faz ele se acomodar nessa preguiça de vida
Pensar o mundo como na novela da televisão!

quinta-feira, 27 de março de 2014

Conjuntivite

Coceira e vermelhidão são os primeiros sinais dessa doença, que pode ainda causar inchaço e sensação de lacrimejamento. Ela pode ser provocada por uma reação do olho a produtos de higiene, por exemplo, mas as causas mais comuns são vírus e bactérias. O tipo bacteriano é mais comum de pegar na piscina ou ao colocar a mão suja no olho e pode causar até secreções nos olhos. Já o viral pode vir junto com a gripe.
Existe ainda a conjuntivite causada pelo vírus do herpes ocular. Os oftalmologistas alertam para o risco de se automedicar com qualquer colírio, o que pode levar a consequências muito graves para a visão. Como existem diversos tipos de conjuntivite e todas exigem um tipo diferente de tratamento, então é fundamental descobrir sempre a causa.
Se for para aliviar os sintomas, por exemplo no caso de vírus, é melhor usar o colírio de lágrima artificial. No caso da conjuntivite bacteriana, precisa ser um colírio de antibiótico. De qualquer maneira, é fundamental tomar cuidado na hora de usar o produto. O correto é lavar as mãos antes, pingar apenas uma gota e no centro do olho, não no canto.
Resíduos de maquiagem também são uma das causas mais comuns de conjuntivites. As do tipo alérgico, irritações causadas pelo contato dos produtos com a superfície ocular, podem, claro, ser dribladas com o uso de produtos antialérgicos. E há as que acontecem quando bactérias que estavam nas mãos passam para os olhos, muitas vezes na hora de pintá-los. Tirar os produtos dos olhos também evita terçol. Restos de make podem ir se acumulando até impedir que os cílios cresçam e, assim, causar inflamações.
Fontes: G1 e outros

Dicas de higiene

    Nas atividades diárias que aumentam a chance de você ter uma doença, corrimões, telefone celular e até mesmo o happy hour não escapam da transmissão de vírus e bactérias. Tudo o que existe está absolutamente recoberto de bactérias - inclusive você, por dentro e por fora. No entanto, nem todas as bactérias causam doenças, sendo algumas inclusive benéficas e essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo. Mas quando pensamos nos micro-organismo patogênicos - que tem potencial de transmitir doenças - a boa higiene é fundamental para mantê-los longe.
 Nem sempre a pessoa sucumbirá ao patógeno, ainda que seja exposta à doença. E também não é todo o vírus que pode ser transmitido durante o dia a dia, pois nem todos sobrevivem muito tempo fora do corpo humano. No geral, a gripe e os resfriados são mais facilmente transmitidos de uma pessoa para outra, principalmente no inverno, e existem algumas atividades muito comuns em nossa rotina nas quais estamos expostos a isso e nem percebemos. Exemplos:
1 - Telefones públicos, teclados e telas sensíveis ao toque;
2 - Corrimões e maçanetas;
3 - Cédulas e moedas;
4 - Ônibus, trem e metrô;
5 - Aparelhos e banheiro de academias;
6 - Balada e happy hour ;
7 - Consumir uma dieta pobre em vitaminas e minerais e rica em gorduras, açúcar, sódio e conservantes, o que enfraquece o sistema imunológico.
Além de uma alimentação saudável, evitar aglomerações, não consumir álcool e ter sono regular, o melhor modo de evitar essas ocorrências é não dividir objetos de uso pessoal (talheres, toalhas, travesseiros) e lavar as mãos com mais frequência durante os períodos exposto a uma das situações acima.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter

terça-feira, 25 de março de 2014

Sal x Sódio

Um estudo feito pela Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia) traçou um perfil do consumo de sódio feito pelo brasileiro. Segundo o estudo, os alimentos industrializados são responsáveis por 23,8% do total da ingestão de sódio, enquanto 71,5% do nutriente provêm do sal de cozinha. O trabalho mostrou que a maior parte do sódio por adição de sal foi consumida nas residências (59,7%) e o restante (11,8%) do sal proveniente das refeições feitas fora de casa.
De acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira, a recomendação de sódio para um adulto saudável (sem problemas hipertensivos, por exemplo) é de 2.400 miligramas por dia, o equivalente a 5 gramas de sal ou uma colher de chá do alimento. Mas o cardápio diário do brasileiro costuma conter quase 12 gramas de sal por dia - mais que o dobro!
Se você é alguém que se preocupa com sua saúde e tem medo de sofrer paralítico em cima de uma cama, procure um nutricionista que elabore orientações e receitas para dar uma boa amenizada nessa quantidade de sódio nas refeições.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter

Momento lírico 258

INCERTEZAS
(Karl Fern)

Onde estás que eu não te vejo
Onde perfumas que não te sinto
Onde escondes teu real desejo
Pr’onde vás que não pressinto?

Por que de mim tanto tu somes
Por que de mim não queres nada
Por que assim tu me consomes
Por que preferes não ser amada?

Só eu sei quanto tu me amas
Só eu sei quanto pensas em mim
Só eu sei quanto tu me chamas
Não suporto ver-te triste assim!

Não abandone a tua felicidade
Não ocultes o sentimento teu
Não sucumbas a outras vontades
Se o teu genuíno amor sou eu!

segunda-feira, 24 de março de 2014

Momento lírico 257

SEXTILHAS ROMÂNTICAS
(Karl Fern)

FUNDAMENTAL
Não é o perfume da rosa
Que vai acabar a tristeza
Como nem toda princesa
Vai ser uma moça formosa
A mulher pra ser mimosa
Tem algo mais que beleza!
©

O ROSTO
Na pele do teu lindo rosto
Vi minha imagem refletida
Foi uma criação atrevida,
Mas vista com tanto gosto
Que mesmo nada ali posto
Vi toda felicidade da vida!!
©

PODEROSA
Tão atraente e tão vaidosa
Tão sublime e tão elegante
Linda em seu semblante
Naturalmente poderosa
Nasceste pra ser mimosa
Cresceste pra ser brilhante!
©

AS ROSAS
Não é só a beleza do vaso
Que faz a vida mais sedosa
Mas é a formosura da rosa
Com sua natureza ao acaso
E suas pétalas, caso a caso
Que a pintam mais mimosa.
©

SOU ASSIM!
Sou assim todos os dias
Seguir feliz é o meu ramo
Da vida eu não reclamo
Vivo imerso em alegrias
Paz, sonhos e harmonias
Sou assim porque te amo!
©

Mulheres: Infarto x ansiedade

As mulheres são mais propensas do que os homens a morrer de ataque cardíaco devido a um diagnóstico mal feito que atribui seu mal-estar a um ataque de ansiedade. Cientistas da Universidade de McGill, em Montreal, no Canadá, pesquisaram a diferença de mortalidade entre homens e mulheres que sofrem ataques do coração.
Para isto, interrogaram 1.123 pacientes de 18 a 55 anos hospitalizados em 24 instituições do Canadá, mas também em um hospital dos Estados Unidos e outro da Suíça. Os pacientes, todos com síndrome coronariana aguda, responderam aos cientistas nas 24 horas posteriores à sua entrada no centro médico. As mulheres entrevistadas tinham origem socioeconômica mais modesta do que os homens que participaram do estudo. Por fim, elas demonstraram correr mais riscos de sofrer de diabetes e hipertensão, havia mais casos de doenças cardíacas em suas famílias e tinham mais possibilidades de sofrer de depressão e ansiedade do que os homens.
Os cientistas constataram que, em média, os homens eram mais submetidos a eletrocardiogramas rápidos e desfibrilação do que as mulheres. Os pesquisadores explicam esta diferença de tratamento pelo fato de que as mulheres costumam recorrer com mais frequência do que os homens ao serviço de emergência com dor torácica de origem não cardíaca. Além disso, a prevalência da síndrome coronariana aguda é menor entre as mulheres jovens do que entre os homens jovens. Estes resultados sugerem que o médico têm mais probabilidades de confundir um evento cardíaco nas mulheres com sintomas de ansiedade. 
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter) apud G1

Devecser e seu futuro verde

Após um desastre ambiental sem precedentes que arrasou há quatro anos a cidade húngara de Devecser, esta cidade situada no oeste do país apostou no respeito ao meio ambiente e no desenvolvimento sustentável para se recuperar da crise.
Em outubro de 2010, uma maré de barro tóxico procedente de uma fábrica de alumínio arrasou cerca de 4 mil hectares em torno de Devecser, Kolontár e Somlóvásárhely. Dez pessoas morreram, 125 ficaram feridas e os danos econômicos rondaram os 200 milhões de euros. As imagens do barro, de intensa cor vermelha, rodaram o mundo. Para deixar para trás a maior catástrofe ambiental que a Hungria sofreu, Devecser optou por se reinventar como uma cidade ecológica, investindo em energias renováveis.
A primeira fase desta reconversão foi limpar o terreno, para o que foi preciso retirar a ca-mada superior da terra contaminada pelo barro tóxico. O município comprou vários terrenos para plantar uma variedade de álamo que é empregado para gerar biomassa como fonte de energia.
Graças ao combustível que produzem os 30 hectares de plantações e a calefação de várias instituições de Devecser já não significam uma despesa para a cidade. Além disso, parte dos terrenos que ficaram inundados pelo lodo e que não servem para a agricultura acolhem agora um parque empresarial.
O projeto de reconstrução e transformação “verde” de Devecser custou 122 milhões de euros, que foram financiados com fundos estatais e com 6,5 milhões de euros provenientes de doações para um fundo de reconstrução. Além disso, a três quilômetros de Devecser, em uma área que não foi contaminada, foi criada uma plantação com maçãs silvestres, que quase não necessitam ser fumigadas, motivo pelo qual seus frutos são mais naturais. As maçãs são desidratadas em uma pequena fábrica que é nutrida por energia solar para seu funcionamento e logo são vendidas nos mercados locais.
No total, a aposta em energias renováveis criou 200 postos de trabalho, em uma cidade de 5 mil habitantes.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter) apud TERRA

sábado, 22 de março de 2014

Pimenta é saudável!

Ainda falta conhecimento da população sobre as pimentas, pois muitos acham que elas podem causar problemas de saúde. A pungência é o ardor, o “picante” da pimenta, são suas principais características. Os princípios pungentes são produzidos em glândulas localizadas na placenta dos frutos (onde ficam as sementes), não na polpa ou dentro das sementes.
Seus consumiradores são fascinados pela sensação de prazer que a ingestão desse condimento proporciona ao organismo, após a “queimação” sentida na boca. Esse ardor é provocado por substâncias alcaloides denominadas capsaicinoides, exclusivos das pimentas do gênero Capsicum. A pimenta-de-cheiro e a biquinho (zero) são as mais suaves e doces. As recordistas brasileiras em pungência são a pimenta-murupi e a cumari-do-Pará.
Lado bom – De acordo com estudos, a pimenta tem muitos benefícios para o organismo. Ela é termogênica, acelera o metabolismo, mas não se pode afirmar que emagrece. Também possui ação anti-inflamatória, ou seja, pode amenizar a dor de algumas doenças, como a fibromialgia, que é uma dor muscular generalizada. Além disso ainda impede ou combate a formação e o desenvolvimento de tumores (assim como o brócolis e o tomate), é antioxidante e melhora o fluxo sanguíneo. O fruto também tem bastante vitamina e, geralmente, os mais ardidos são os que mais concentram essa propriedade, porque depende da presença de capsaicina.
Lado ruim – Por outro lado, as pimentas muito ardidas podem causar inflamação e agressão ao aparelho digestivo. Na boca, os tecidos ficam irritados e, por isso, há a ardência. Com o consumo em excesso de pimentas fortes, pode ocorrer uma gastrite química (quando há presença de uma substância no estômago que leva à irritação), mas isso não é comum porque não temos a cultura de consumir tanta pimenta assim. Além disso, quando se ingere algo muito apimentado, a água da parede do intestino se solta, o que faz as fezes ficarem mais líquidas, mas isso não é comum.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter) apud G1

Brasil: 3º lugar em conflitos ambientais

A Universidade Autônoma de Barcelona mapeou conflitos ambientais em todo mundo e o Brasil apareceu em terceiro lugar (ao lado da Nigéria) em número de disputas, enquanto a mineradora brasileira Vale ocupa a quinta posição no ranking de empresas envolvidas nessas questões.
O mapa é o resultado do trabalho de uma equipe internacional de especialistas coordenados pelos pesquisadores do Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental da universidade espanhola.
Entre os 58 conflitos ambientais em curso no Brasil há disputas agrárias como o caso de Lábrea, cidade no Amazonas próxima à fronteira com o Acre e Rondônia, onde agricultores são vítimas da ameaça de madeireiros e grileiros. Há ainda diversos conflitos indígenas, disputas por recursos hídricos e por reservas minerais.
No caso da Vale, 14 das 15 disputas em que a empresa está envolvida ocorrem na América Latina, especialmente no Brasil, mas há casos também na Colômbia, no Peru e no Chile.

Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter)

sexta-feira, 21 de março de 2014

"Salito" na construção

Uma dor de cabeça para os proprietários, principalmente em suas casas é o parecimento “do salito” nas paredes. Além de enfeiar este fenômeno pode colocar em risco de desmoronamento a construção caso as paredes sejam estruturais e não sejam feitos constantes reparos.
No caso da construção em alvenarias, construídas com blocos cerâmicos furados ou blocos de concreto, nas alvenarias junto ao solo, é recomendável mergulhar previamente em emulsão asfáltica os tijolos das primeiras três fiadas. Após a secagem efetuar o seu assentamento, visando evitar a subida de água proveniente do solo pelo efeito da capilaridade e, se possível, utilizar argamassas industrializadas especialmente fabricadas para esta finalidade.
As paredes em alvenaria, acima do solo, terão espessuras mínimas de 0,15m com revestimento executado inicialmente com chapisco, utilizando argamassa de cimento e areia grossa, nos diâmetros entre 3mm e 5mm, no traço 1:3 em volume, fator água-cimento de 0,55, na espessura de 0,5cm e, após 8 dias, com aplicação de argamassa de cimento e areia no traço 1:6 em volume contendo aditivo aerante, fator água-cimento de 0,55, com espessura de 2,0 cm. Nunca usar argamassa de assentamento com algum tipo de argila, terra orgânica ou cal.
Se usar argamassas industrializadas especialmente fabricadas para esta finalidade, é dispensável a aplicação de chapisco. Nas superfícies internas é indispensável o roda-pé com cerâmica, assentada sobre argamassa tipo A2 ou superior.
Todas as paredes enterradas deverão ser elevadas até uma cota superior, no mínimo, 20cm acima do terreno vizinho para que não permita a inundação de águas superficiais. Se ´possível sempre construir o alicerce com pedras e argamassa de cimento e areia, dosada com impermeabilizante (exemplo Vedacit 1:15 na água). Nunca usar argamassa de assentamento com algum tipo de argila, terra orgânica ou cal.
(Texto CARLOS FERNANDES)