quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Humor: O “causo” do peixe “curimatã”

Para se entender direitinho este “causo” (nº 29), devemos nos lembrar do que acontece com o vocábulo “para”. No português vernacular é “para”. Para os poetas e no coloquial é “pra”. No linguajar simplório e popular é “pa” mesmo. Também devemos lembrar que entre as várias espécies do peixe curimatã, tão abundante em rios e lagos de água doce, existe uma muita apreciada: o curimatã pacu!
Pois bem! Na feira central de Campina Grande, estava lá Seu João do Peixe bem sossegado esperando freguês pra vender sua mercadoria, quando chega um moço bem apessoado, mas com aqueles trejeitos não muito masculinos. Com cara de exigente começa a apontar e perguntar os tipo de peixes para Seu João, que muito solícito e querendo fazer uma venda de sua mercadoria vai dizendo um a um:
- É tilápia de primeira,... é traíra de Sumé,... é piau de Boqueirão,...
Até que chega na tal curimatã! E aí ele continua mais enfático quando o tal freguês aponta:
- Esse é especial! É PACU! 
O moço entre duvidoso e empolgado, aperta curioso o peixe com os dedos e indaga meio decepcionado e com seu trejeito mais afetado ainda:
- PAA-CUUU??!! MOÓÓLE DESSE JEÊÊÊITO?!
E aí Seu João perdeu a paciência e botou o desmunhecado pra correr!...


Momento lírico 241

SAUDOSISMO
(Karl Fern)

Nos idos de antigamente
Pra se começar um namoro
Tinha sentimento e decoro
O passo era bem diferente
Na jovialidade da gente
Nada de afoitezas ou choro.

Rapaz se sentia satisfeito
Num baile no tempo antigo
Vencendo a timidez consigo
Vendo um rostinho benfeito
Falava com todo respeito
“Você quer dançar comigo?”

Se o pedido ela recusasse
Esse era um direito dela
Não lhe daria mais trela
Se o “corte” lhe chateasse
A bonitona que se danasse
Virava a bruxa banguela!

Hoje não há mais romance
O sexo tornou-se o objeto
Não se tem mais o afeto
O lirismo não tem chance
O “ficar” é que é o lance
O promíscuo é fácil e direto!


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Carmem Miranda

Maria do Carmo Miranda da Cunha, a Carmem Miranda

(1909 - 1955)

Cantora e atriz brasileira nascida em Marco de Canaveses, Portugal, que se tornou nos anos '40, a brasileira de maior sucesso cinematográfico nos Estados Unidos, onde era conhecida como the Brazilian bombshell. Chegou no Brasil, no Rio de Janeiro, RJ, ainda criança e estreou como cantora na Rádio Sociedade. Sua primeira gravação foi a marchinha Taí, composta para ela por Joubert de Carvalho. Atuou no filme Voz do carnaval, de Ademar Gonzaga, e gravou as primeiras músicas de Assis Valente, de quem se tornou a principal intérprete. Aos 27 anos alcançou sua verdadeira carreira de sucesso quando participou do filme Alô, alô, carnaval (1936), de Ademar Gonzaga. Seguiram-se as gravações de No tabuleiro da baianaBoneca de piche e Na Baixa do Sapateiro, de Ari BarrosoCamisa listrada, de Assis Valente, e O que é que a baiana tem?, de Dorival Caymmi, a partir da qual, no Cassino da Urca, do Rio de Janeiro, onde cantava com o grupo vocal Bando da Lua, adotou a gesticulação bahiana, característica que passou a ser sua marca. Foi para os Estados Unidos e estreou na Broadway, na revista musical Streets of Paris (1939). Nos EEUU participou de 19 filmes dentre os quais destacaram-se That Night in Rio (1941) e Springtime in the Rockies (1942), de Irving CummingsWeek-end in Havana (1941) e Greenwich Village (1944), de Walter Lang, eCopacabana (1947), de Alfred Green, ao lado de Groucho Marx. A brilhante artista morreu repentinamente em Hollywood (5/8/55), ainda gozando de muita fama nos meios artísticos do país do cinema.
Fonte: SÓ BIOGRAFIAS

TA-HI (Carmen Miranda – 1930)

Taí, eu fiz tudo p'rá você gostar de mim
Oh! meu bem,
não faz assim comigo não! (est.)
Você tem, você tem que me dar seu coração!

Meu amor não posso esquecer
Se dá alegria faz também sofrer
A minha vida foi sempre assim
Só chorando as mágoas que não têm fim

Essa história de gostar de alguém
já é mania que as pessoas têm
Se me ajudasse Nosso Senhor
eu não pensaria mais no amor!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Comportamento: A mulher como objeto

Estudo mostra que homens heterossexuais vêem mulheres como objetos – literalmente. O estudo em questão é da psicóloga Susan Fiske, da Universidade de Princeton, publicado e analisado o livro “The Equality Illusion: The Truth about Women and Men Today” de Kat Banyard. Ela tirou imagens de cérebros de homens heterossexuais enquanto olhavam imagens sexualizadas de mulheres usando biquines.
A descoberta foi que a parte do cérebro ativada era aquela que normalmente acende quando as pessoas vão utilizar alguma ferramenta – eles viam mulheres como objetos inanimados que recebiam uma ação sua. Mais nada. Os caras que mais tiveram incidência desse comportamento foram aqueles que mais conseguiam desativar a parte do cérebro que leva em consideração as intenções de outras pessoas (o córtex medial pré-frontal). Eles respondiam frente a essas imagens como se as mulheres fossem não-humanas.
Os homens – nem todos eles, é claro – olham para a mulher como se ela estivesse ali para lhe servir. É quase como se qualquer mulher fosse uma boneca inflável, levando o assunto para o sexo. E isso é extremamente nocivo à sociedade e as relações entre os gêneros.
Só que, ao mesmo tempo, tudo isso é possível de ser mudado. Há milhares de homens que tratam mulheres com respeito, que entendem que nem toda mulher se interessará por ele e que não estará disponível. Mas grande parte deles não quer – assim como uma boa parte das mulheres. E então cabe às mulheres e homens conscientes, colocar limites e lutar contra a exploração que esse tipo de pensamento tão arraigado na sociedade causa. Esse é o tipo de ideia que faz com que estupradores sintam-se certos, assim como também os agressores.
Fonte: YAHOO MULHER

domingo, 26 de janeiro de 2014

Marinho Chagas, um ídolo!

Super cabível e merecida a homenagem ao ex-craque Marinho Chagas, 
na Arena das Dunas, neste 26/01/2014, antes do jogo ABC x Alecrim! 
Teve a grande virtude de jogar no Glorioso Botafogo F.R. e ser 
melhor lateral esquerdo da Copa do Mundo de 1974! 
Único jogador brasileiro a integrar a seleção da FIFA
naquele Mundial. O Brasil foi 4° lugar!
Francisco da Chagas Marinho, o Marinho Chagas, nasceu no dia 8 de fevereiro de 1952, em Natal. Sua estreia como profissional aconteceu no Riachuelo Atlético Clube, em 1967. Dois anos depois, já no ABC, Marinho conquistou seu primeiro título, o Campeonato Potiguar de 1970. Depois ele ainda passou por Naútico, Botafogo, Fluminense, New York Cosmos-EUA, Fort Lauderdale Strikers-EUA, São Paulo, Bangu, Fortaleza, América-RN, Los Angeles Heat-EUA e Harlekin Augsburg-ALE.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Reflexão!



Humor: - O "causo" de Gelásio e o dedo acidentado

Neste 28° "causo" aqui contado, vamos relatar um acontecido com um conhecidíssimo e saudoso marceneiro jardinense, que como todo bom “Morais” sempre foi chegado a uma lorota! Nos quesitos alegria, divertimento, mordacidade, lorotices e ironias divertidas, esta descendência é exemplar. Eu, sem receio de me autoafirmar e com muita satisfação, faço parte dela por parte da minha mãe!
Como marceneiro a vida inteira, Gelásio não escapou de pequenos acidentes e num deles sofreu um corte no dedo mindinho da mão que, ao sarar, perdeu a articulação e ele ficou pra o resto da sua vida, sem movimento e rijo.
Certa vez ele estava na feira do mercado (neste tempo ainda existia mercado mantido pela Prefeitura: bons tempos!), comprando carne quando uma senhora idosa, da zona rural, notou o seu defeito e muito solícita, depois de perguntas e respostas, disse que tinha um remédio que fazia amolecer.
Gelásio sacana e já meio passado na idade, aproveitou pra fazer uma gracinha e com um risinho meio sarcástico, disse:
- Minha senhora, eu não tou preocupado com amolecer não! Eu quero que a senhora me ensine um remédio que faça endurecer!
Ela matou a charada imediatamente, não se fez de rogada e respondeu em cima da bucha: - Eu sei! Enfie no seu rabo... E saiu resmungando sei lá o que!!!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Momento lírico 240

É ISSO!...
(Karl Fern)

Quem teve a infelicidade
De passar esse amargor
Sabe a carga desse andor
Ferimentos na dignidade
Rito de infeliz debilidade
Desse cruel sentimento
Seu inevitável tormento
Que tolhe o raciocínio
Desmantela o tirocínio
Deixa o sujeito abobado
Na vida bem chateado
O coração sem domínio.

Não encontra solução
Pra ganhar a liberdade
Sair dessa enfermidade
Só o tempo é a salvação
Não se sabe de antemão
Quando de fato vai acabar
É preciso rudemente lutar
Pra tirar o mal do peito
E para se sentir refeito
Não basta só a vontade
Esse coquetel de maldade
Nem deixa pensar direito.

Sofrimento avassalador
Pra magoar não tem idade
Doença que é na verdade
Angustiante e cortante dor
Vem da supressão do amor
Que partiu antes da hora
Não esperou pela aurora
Destruindo a felicidade
Rasgando a sublimidade
Judiando alma e mente
Ceifando sonhos da gente
É a lancinante SAUDADE!

Carro branco

Na moda, carro branco pode custar mais até com pintura simples. Algumas marcas cobram valor extra pela cor sólida, e não só a metálica. Essa taxa varia de R$ 250 a R$ 5 mil, de acordo com a montadora. Em levantamento dos fabricantes de tintas automotivas, a cor aparece como a mais popular em todo o mundo, escolhida por 20% a 25% dos proprietários de automóveis.
Há a fama de que a pintura do carro branco pode amarelar com o tempo ou ficar "encardida". Mas isso é um exagero, dizem especialistas em tintas automotivas. Além do mais, a pintura branca não requer nenhum cuidado extra para manutenção. É apenas água e sabão neutro. No máximo, algum xampu para carros. Encerar com muita frequência é ruim. O ideal é a cada seis meses, nunca todo mês, pois a cristalização e polimento acabam desgastando um pouco o verniz, que protege a pintura. Também é desaconselhável o uso de qualquer produto à base de petróleo, como aqueles que contêm querosene, ainda que diluído.
Em casos de repintura pode haver diferenças em relação à cobertura original, porque as oficinas têm um sistema diferente das montadoras, outro tipo de verniz, de secagem. Um carro branco todo repintado pode amarelar um pouco justamente porque a oficina não tem como aplicar como a montadora. Na oficina, a tinta seca no máximo a 80°C enquanto na montadora é a 180°C. Isso faz a diferença. Os fabricantes de tintas automotivas, dão para a pintura original uma garantia de 10 anos, enquanto que na repintura, a garantia é de 36 meses.
Fonte: G1 

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Momento lírico 239

VELHAS CERCAS DO SERIDÓ
 (Karl Fern)

Avelós afro-esverdeado
Currais de pau-a-pique
Tirantes de arame farpado
Roda-pés de xique-xique
Com seu acesso fechado
Com porteiras de tabique.

Varas secas de marmeleiro
Trançadas em nuas estacas
De jurema, angico e pereiro
Aparadas à foices e facas
Mourão no vão do chiqueiro
Onde se esfregam as vacas.

E as de pedras arrumadas
Justapostas com precisão
Uma a uma a mão montadas
Formando um longo cordão
E sem serem argamassadas
Não caem nunca no chão.

Colchete abrindo passagem
Trancas de nós corrediços
Mata-burros na paisagem
Deixam limites inteiriços
Carece um tico de coragem
Passar sobre os passadiços.

Além de sólidos abrigos
São uma roupagem à parte
Nos meus sertões amigos
Dos sítios um estandarte
São esses cercados antigos
Verdadeiras obras de arte.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Exercício, suor e hidratação!

O ser humano é um animal homeotérmico, isto é, mantém a temperatura do corpo praticamente constante, ao redor de 36,5°C. Quando pratica algum exercício físico, a atividade muscular produz muito calor e a temperatura do corpo tende a aumentar, então produz o suor. A água contida no suor se evapora na pele, provocando uma redução na temperatura do ar que a circunda, proporcionando perdas de calor do corpo para o ambiente. Isto é essencial para a manutenção da temperatura do corpo. É sumamente importante que ao se praticar exercícios no calor, se entenda a função do suor e a necessidade da hidratação!
A atividade física vigorosa em ambientes com altas temperaturas requer muito cuidado, pois gera grande perda de líquidos e sais minerais pela evaporação. Quando se realiza qualquer tipo de atividade física, existe uma produção de calor pelo corpo que é proporcional à intensidade da atividade realizada. O desafio, nesta situação, é promover a perda deste calor produzido para evitar que a temperatura corporal aumente. Quando a temperatura ambiente é elevada, a perda de calor vai depender essencialmente do mecanismo de evaporação do suor.


IMPORTANTE! NÃO É A PRODUÇÃO DE SUOR QUE RESFRIA O CORPO E, SIM, A EVAPORAÇÃO DELE QUE TIRA CALOR DO SEU CORPO. ASSIM, O HÁBITO DE ENXUGAR O SUOR PRODUZIDO, EVITANDO QUE ELE EVAPORE, PREJUDICA A PERDA DE CALOR E A SUA PRÓPRIA SAÚDE.
Na medida em que a necessidade de perder calor se torna cada vez mais intensa,  a sudorese e a evaporação do suor são mais exigidas. A consequência óbvia é uma perda cada vez maior de líquidos e sais minerais pelo suor. Nesta situação, a reposição hídrica e mineral é fundamental. A desidratação leva a uma séria ameaça para a saúde e um prejuízo à performance física. Estudos científicos estimam que, para cada 1% de desidratação do corpo, existe um decréscimo de 5% do desempenho.
A reposição de líquidos, mesmo durante o exercício, é fundamental e proporciona a possibilidade de a sudorese não ser prejudicada, assegurando a luta contra o calor e evitando a elevação da temperatura corporal (hipertermia), que traria uma ameaça muita séria para a saúde.


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Abacate X Colesterol

O consumo de frutas é muito importante para uma alimentação equilibrada. Quanto maior a variedade delas, melhor para a nossa saúde, já que suas diferentes cores garantem uma quantidade maior e mais variada de fitoquímicos, elementos que fazem bem para a nossa saúde.
As propriedades variadas garantem efeitos específicos em alguns casos, o que faz com que algumas frutas sejam muito importantes para o dia a dia. O ideal é consumir de três a cinco porções diárias para obter a quantidade de vitaminas, nutrientes e fibras que o organismo necessita para funcionar.
O abacate, por exemplo, é rico em gordura monoinsaturada, aquela considerada amiga do nosso organismo, reduz o apetite e ajuda a queimar gordura. O ácido oleico, a mesma gordura do azeite de oliva, protege os vasos sanguíneos e o coração contra infartos, tromboses, entupimento das veias, doenças cardíacas e bloqueia a ação do LDL, chamado de colesterol ruim.
Assim, o consumo regular do abacate reduz os níveis de colesterol total e eleva os de HDL, o chamado colesterol bom. Além de possuir uma gordura boa uma gordura boa, a fruta é fonte de vitaminas A, C e E, ajuda a reduzir os níveis de glicose no organismo e tem função anti-inflamatória.
 A fama de que o abacate é uma fruta que engorda demais e por isso deve ficar de fora do cardápio de quem quer manter a forma, é uma verdadeira injustiça, embora tenha um valor calórico considerável (um abacate pequeno possui, em média, 360 calorias). Mas vale um alerta, já que a fruta tem muitas calorias. Para se obter apenas os benefícios, essa fruta deve ser consumida na quantidade de uma colher de sopa ao dia. E nada de consumi-lo com açúcar, prefira o cacau em pó se há necessidade de incrementar o gosto.

Fonte: MINHA VIDA (via newaletter)           

domingo, 19 de janeiro de 2014

Momento lírico 238

POR QUE?
 (Karl Fern)

Simplesmente é de dar pena
Essa conduta do nordestino
Ver-se torrando no sol a pino
Em uma seca da gota serena
Conterrâneos vendo esta cena
Dando dinheiro pra Genoíno!

Dói na alma assistir tudo isso
Essa vil pseudo-fraternidade
Rude fanatismo pela maldade
Na desculpa sem compromisso
Herético e patético reboliço
Travestido de dolente piedade.

Dinheiro que faria a diferença
Pra esse povo forte e sofrido
Filmado em cuecas escondido
E ainda ter gente na crença
Que foi invenção da imprensa!
Ou é o bom ladrão convertido?

Irmãos, são milhões sofrendo
Tão perto, ao redor pra se ver
As vezes sem ter o que comer
Até de desespero morrendo
E gente agora se condoendo
Por punido sacana, POR QUÊ?



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Limão x diabetes


A maior parte dos benefícios da fruta é voltada para a saúde do coração, que não deixa de ser prejudicada quando a pessoa tem diabetes, já que a alta da glicose no sangue desgasta e prejudica as artérias e veias. A alta concentração de ácido nicotínico no limão protege as artérias, prevenindo problemas cardiovasculares, uma tendência para quem tem a doença. O alimento também diminui a viscosidade do sangue, o que é essencial, uma vez que, junto com o diabetes, existem alterações que predispõe a um maior risco de trombose.
Ele também evita hemorragias, devido à presença de ácido cítrico e ácido ascórbico, o que é vantajoso ao paciente com diabetes devido a sua dificuldade de cicatrização. Por fim, a parte branca do limão e a casca também contém pectina, quando ela é dissolvida em água, produz uma massa viscosa que auxilia no trânsito intestinal e na saciedade, retardando a absorção dos açúcares. Isso evita picos glicêmicos, inimigos de quem tem diabetes.

Fonte: MINHA VIDA (via newaletter)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Momento lírico 237

O AMOR NAS ESTAÇÕES
 (Karl Fern)

No panorama das estações
Nós prosseguimos vivendo
Amores vão acontecendo
Entornando os corações
Enriquecendo de emoções
Querências se excedendo.

Primavera, tempo de flores
De amores mais atrevidos
Ramalhetes mui coloridos
Juras de poéticos amores
Encantamentos multicores
Cortejos líricos assumidos.

Verão de amantes quentes
De amores mais aquecidos
Pingos de suor consentidos
Sonoros beijos ardentes
Casais fogosos sorridentes
Entusiasmos enternecidos.

Outono, estação dos frutos
De amores bem adocicados
Sentimentos alimentados
Dos amantes mais astutos
Abraços intensos e argutos
Romantismos frutificados

Inverno, período mais frio
De amores ensandecidos
Entre lençóis escondidos
Ativando o perfume do cio
Encima d’um colchão macio
Corpos ludicamente unidos.

Amor perpétuo sentimento
Dádiva de excitante emoção
Airoso em qualquer estação
Nobre a qualquer momento
Motivo de embevecimento
De alma, corpo e coração!


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Roupas alérgicas

Normalmente quem tem alergia a determinados tecidos sofre para aliar aparência com conforto. Mas é perfeitamente possível vestir trajes elegantes, excluindo a possibilidade de desconfortos e alergias, bastando apenas que escolher o tecido correto.  Algumas dicas podem ajudar a evitar crises alérgicas dérmicas relacionadas à tecidos de roupas. Acompanhe, a seguir, algumas dicas especiais de como evitar dermatite de contato e confira os melhores tecidos para alérgicos.
1 - Tecidos alérgicos
Os tecidos sintéticos como couro sintético, acetato, poliéster e polivinílicos devem ser evitados pelos alérgicos, excluindo problemas com dermatite de contato. Estes tecidos não absorvem a umidade do corpo, provocando um desconforto intenso ao serem vestidos, além de possuírem toque áspero.
2 - Opções Antialérgicas
As melhores opções são aquelas que possuem etiquetas de antialérgica ou os tecidos naturais como algodão, juta, cânhamo e sisal. Os tecidos artificiais como viscose, náilon e cetim devem ser utilizadas apenas após um teste de alergia, que pode ser feito em consultório. É necessário ressaltar que os sintomas de uma dermatite de contato podem variar de pessoa para pessoa, indo desde à coceira branda até comichões intensos que provocam vermelhidão.
3 - Problemas respiratórios
Outro incidente extremamente comum entre os alérgicos são os problemas respiratórios provocados pelo acúmulo de poeira e ácaros dentro do guarda-roupa, nas cortinas e carpetes. É necessário evitar a colocação de tapetes em locais onde há grande quantidade pó e impurezas oriundas de ruas e avenidas. Se não for possível evitar a colocação de carpetes e tapetes, faça a limpeza a cada dois dias com um aspirador de pó.
4 - Dermatite de contato
Além de escolher os tecidos corretos, deve-se evitar certos produtos no momento de lavar a peça. Sabões em pó, amaciantes e outros tipos de produtos podem conter elementos geradores de alergia intensa na pele. O ideal é fazer a lavagem apenas com sabão neutro e água fria.
5 - Crises de alergia
Se houver uma crise alérgica, é necessário procurar um médico especializado para verificar a causa do problema. A administração de medicamentos antialérgicos podem diminuir o desconforto provocado pelos tecidos, mas só devem ser prescritos após consulta e diagnóstico preciso. Lembre que utilizar os tecidos corretos evita diversos problemas, como coceira, vermelhidão e a necessidade do uso de medicamentos.
Fonte: Yahoo Mulher