terça-feira, 5 de novembro de 2013

Geografia: Etiópia

Os povos do Chifre da África ocupam a região há milênios. Um dos países que mais aparece nos noticiários do mundo inteiro, sobretudo pelas dificuldades econômicas de sua população, é a Etiópia. Já foi chamada de Abissínia, é o país mais extenso e populoso da região e uma das únicas nações  africanas que escaparam da colonização europeia, exceto em um curto período de ocupação italiana (1935-1941).
A Etiópia é um dos países mais antigos do mundo e o segundo país mais populoso da África, perdendo apenas para a Nigéria. Limita-se ao norte com Eritreia e Djibuti, a oeste como o Sudão e com o Sudão do Sul, ao sul com o Quênia, e a leste com a Somália.
Quando o continente africano foi dividido entre as potências europeias na Conferência de Berlim, a Etiópia foi um dos dois únicos países que mantiveram a independência (o outro foi a Libéria). Quando as outras nações africanas se tornaram independentes, muitas delas adoraram as cores da bandeira da Etiópia, e Addis Abeba tornou-se a sede de várias organizações internacionais focadas na África. Atualmente, a capital etíope é sede da União Africana e da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África.
Além de ser um país antigo, a Etiópia é um dos sítios de existência humana mais antigos, dividindo com a África do Sul o posto de maior número de Patrimônios Mundiais da Unesco na África. O país também possui laços históricos próximos com as três maiores religiões abraâmicas: foi um dos primeiros países a adotar o cristianismo como religião do Estado, ainda no século IV. Atualmente, a maioria da população ainda é cristã, porém, um terço é muçulmana. Na Etiópia está o sítio do primeiro Hégira da história islâmica, localizada em Negash. A nação também é o berço espiritual da religião Rastafari.
Ler mais sobre a Etiópia em http://professormarcianodantas.blogspot.com.br/