sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Zé Limeira - o poeta do absurdo

Eu cantando pra Dona Antonieta
A muié do Doutor Agamenon,
Fico como o Reis Magro do Sion,
Me coçando na mesma tabuleta.
Eu aqui vou rasgando a caderneta 
De Otacílio Batista Patriota… 
Doutor, como eu não tenho um brinde em nota, 
Que possa oferecer à sua esposa. 
Dou-lhe um quilo de merda de raposa 
Numa casca de cana piojota.

Versos em "homenagem" a esposa do ex-governador de Pernambuco Agamenon Magalhães.
Fonte: BIRA VIEGAS (http://www.bira-viegas.blogspot.com.br/)