segunda-feira, 22 de julho de 2013

Português!

   Discordo de toda essa tentativa de ridicularizar o termo “presidenta” e por tabela querer atingir a presidenta DILMA (que eu também não acho lá essas coisas toda!). A bíblia dos dicionários, o AURÉLIO, registra o termo como feminino de "presidente". Exemplificam até com o termo estudante pela não existência de “estudanta”. Para estes um exemplo: o feminino de "elefante" é "elefanta"! O português nunca foi permanentemente sistemático na variação ou derivação das palavras!
Há uma Lei Federal 2.749, de 1956, do senador Mozart Lago (1889-1974), meio ridícula até, que determina o uso oficial da forma feminina para designar cargos públicos ocupados por mulheres. Esta Lei Federal 2749/56, não foi revogada, ou seja, ainda é válida! Além do mais nossa Presidenta sancionou a Lei 12.605 de 03 de abril de 2012, a qual em sua ementa: Determina o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou grau em diplomas.
Lei 12.605/12: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12605.htm
Lei 2749/56: http://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:federal:lei:1956-04-02;2749
L12605 (www.planalto.gov.br): Art. 1o As instituições de ensino públicas e privadas expedirão diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido.


Crômio como nutriente

Biologicamente considera-se o cromo (ou crômio) em seu estado de oxidação Cr+3 um elemento químico essencial, por participar do metabolismo dos lipídios e dos hidratos de carbono, assim como em outras funções biológicas.
Tem-se observado que alguns dos complexos do crômio participam da potencialização da ação da insulina, sendo, por isso, denominado de "fator de tolerância à glicose", devido à relação com a atuação desse hormônio. A ausência de crômio provoca intolerância à glicose e, como consequência, o aparecimento de diversos distúrbios como o aumento da fome e a vontade de comer doce!
Sua carência nos seres humanos também pode causar ansiedade, fadiga e problemas de crescimento. Também funciona como um ótimo antioxidante e é benéfico para quem tem colesterol alto porque melhora a função do endotélio - um tipo de membrana epitelial que reveste, internamente, as câmaras do coração (aurículas e ventrículos), os vasos sanguíneos (artérias, veias e capilares) e os vasos linfáticos. É nessa estrutura que se depositam as placas de gordura.
Por outro lado o seu excesso pode causar dermatites, úlcera, problemas renais e hepáticos. A quantidade recomendada de cromo pode chegar a 200mcg por dia. Segundo o livro Modern Nutrition in health and disease, as melhores fontes desse mineral nos alimentos são:
- Levedura de cerveja: 112mcg cromo (1 colher de chá);
- Carne vermelha: 57mcg cromo (1 bife médio);
- Pão de trigo integral: 42mcg cromo (1 fatia);
- Trigo integral: 38mcg cromo (2 colheres de sopa);
- Pimenta malagueta: 30mcg (1 colher de sopa);
- Pão de centeio: 30mcg de cromo (1 fatia);
- Ostra: 26mcg de cromo (1 porção);
- Batata: 24mcg de cromo (1 unidade);
- Gérmen de trigo: 23mcg de cromo (3 colheres de sopa);
- Pimenta verde: 19mcg de cromo (1 unidade);
- Maçã: 14mcg de cromo (1 unidade);
- Banana: 10mcg de cromo (1 unidade);
- Cenoura: 9mcg de cromo (1 unidade).
Lembrar que os compostos de crômio no estado de oxidação Cr+6 são muito oxidantes e cancerígenos, com altos riscos de câncer de pulmão e nasossinusal, principalmente em profissionais frequentemente expostos em processos produtivos (Ver matéria anterior). Entretanto, não há casos comprovados de câncer para a exposição ao cromo metálico sozinho.
Fontes: MINHA VIDA / WIKIPEDIA