quinta-feira, 14 de março de 2013

Piadinhas quase santas...

Um jovem vai à igreja se confessar:
- Padre, eu toquei nos seios da minha namorada.
- Você tocou por cima ou por baixo da blusa dela?
- Foi por cima, padre
!
- Da próxima vez pega por baixo, pois a penitência é a mesma
!

O velho acaba de morrer. O padre encomenda o corpo e se rasga em elogios:
- O finado era um ótimo marido, um excelente cristão, um pai exemplar!...
A viúva se vira para um dos filhos e lhe diz ao ouvido:
- Vai até o caixão e veja se é mesmo o seu pai que tá lá dentro...

Na hora do almoço, a madre superiora anuncia:
- Irmãs, hoje teremos bananas de sobremesa!!
- Ehhhhhhhhh!!!! Vibram as freiras.
- Em rodelas!!
E as freiras, decepcionadas:
- Ahhhhhhhhh!!!!....

O paciente está na capital para um exame periódico de saúde.
- Você bebe?
- Dois copos de vinho por dia...
- Fuma?
- Dez cigarros por dia.
- E sexo?
-
Uma a três vezes por mês...
- Sóó? Com a sua idade e a sua saúde, era pr
a ser duas ou três vezes por semana.
- Sabe como é, né doutor? Se eu fosse bispo na capital até que dava, mas numa diocese pequena, no interior...

A freira vai ao médico:
- Doutor, estou com um ataque de soluço horrível. Não consigo comer, nem dormir, nada.
- Tenha calma, irmã, que vou examiná-la.
Ele a examina e diz:
- Irmã, a senhora está grávida!
A freira se levanta em pânico e sai correndo do consultório.
Uma hora depois o médico recebe um telefonema da madre superiora do convento:
- Doutor, o que o senhor disse pra irmã Carmem?
- Madre superiora, como ela tinha uma forte crise de soluço,
passei-lhe um susto dizendo que estava grávida. Ela parou de soluçar?
- Sim, a irmã Carmem parou de soluçar, mas o padre Paulo
, fez as malas e sumiu!

- Padre, ontem eu dormi com meu namorado.
- Mas isso é pecado, e pecado mortal minha filha. Reze cinco Pai Nosso
s de penitência!
A jovem fica mais algum tempo ajoelhada, pensa um pouco, e depois pergunta:
- Se eu rezar 10 posso dormir com ele hoje de novo?

A campainha toca na casa de um camarada muito pão-duro.
Quando ele atende dá de cara com duas freiras pedindo donativos.
- Meu filho, nós somos irmãs de Cristo e...
- Nossa!!! Como vocês estão conservadas!!!

Um burro morreu bem em frente de uma Igreja e, como uma semana depois, o corpo ainda estava lá, o padre resolveu reclamar com o Prefeito.
- Prefeito, tem um burro morto na frente da Igreja há quase uma semana!
E o Prefeito, grande adversário político do padre, alfinetou:
- Mas Padre, não é o senhor que tem a obrigação de cuidar dos mortos?
- Sim, sou eu! Mas também é minha obrigação avisar os parentes!

Tarde da noite, o padre passa perto de um cemitério e leva o maior susto quando escuta:
- Hum, hum, hum!
O padre p
ara, reza um pai-nosso, faz o sinal da cruz, enche-se de coragem e pergunta:
- Do que é que essa pobre alma está precisando?
- Papel higiênico !!!

Uma colaboração enviada por LUCENA FERNANDES

14 de março: Dia nacional da poesia

A poesia é a arte da linguagem humana, do gênero lírico, que expressa sentimento através do ritmo e da palavra cantada, que por fins estéticos ganhou recursos formais, através das rimas cadenciadas.
Existem três tipos de poesias: as existenciais, que retratam as experiências de vida, a morte, as angústias, a velhice e a solidão; as líricas, que trazem as emoções do autor; e a social, trazendo como temática principal as questões sociais e políticas.
No Brasil a poesia ganhou um dia específico, 14 de março, data de nascimento do poeta brasileiro Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), o poeta dos escravos, em Muritiva, próximo a Curralinho, hoje Castro Alves, BA.
Seu primeiro poema que retratava a escravidão foi A Canção do Africano, publicado em A Primavera, mas seu poema mais famoso sobre sua indignação quanto ao preconceito racial ficou registrada na poesia Navio Negreiro.
Morando inicialmente na fazenda das Cabaceiras, perto de Curralinho, foi estudar em Sal-vador, BA (1852), e começou a aparecer como autor de versos e orador exaltado na Faculdade de Direito do Recife, quando assumiu sua posição em defesa da causa abolicionista. Além de lutar pela abolição da escravidão, politicamente também foi ardoroso defensor do sistema republicano de governo, com eleições com o voto direto e secreto.
Atacado pela tuberculose (1867), transferiu-se para a Faculdade de Direito de São Paulo, mas não conseguiu terminar o curso. Passando pelo Rio de Janeiro teve seu trabalho tratado com entusiasmo pelos intelectuais José Martiniano de Alencar (1829-1877) e Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908). De volta a Bahia publicou seu mais famoso e único em vida, Espumas flutuantes (1870). O seu retorno à Bahia foi causado por um acidente de caça, no qual um tiro lhe feriu o pé, chegou a ser operado, mas seu organismo debilitado pela tuberculose não teve condições para resistir e morreu em Salvador, com penas 24 anos de idade.
Todo o restante de sua obra, que se encontrava esparso em manuscritos ou impresso em jornais e revistas, foram publicados em livros póstumos. Entre seus poemas mais notáveis citam-se O navio negreiro, Vozes d’África, O livro, América, Mocidade e morte, Ahasverus e o gênio, O sibarita romano, O São Francisco, A queimada, A tarde, Crepúsculo sertanejo, Lucas, Tirana e A canção do violeiro, publicados em livros como A cachoeira de Paulo Afonso (1876) e, mais tarde, reunida em Os escravos (1920). Pertencente à terceira geração de românticos, é considerado o mais genuíno representante brasileiro do condoreirismo, comportamento artístico e poético característico da última fase do romantismo brasileiro.
Particularmente, o Dia Mundial da Poesia celebra-se a 21 de março. Foi criado na XXX Confe-rência Geral da UNESCO em 16 de Novembro de 1999, com o propósito de neste dia promover leitura, escrita, publicação e ensino da poesia através do mundo.
Fonte principal: SÓ BIOOGRAFIAS http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/CastrAlv.html