quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Momento lírico 143

A MUDA
(Karl Fern)
Na horta do meu coração
Plantei uma muda de carinho
Reguei o tempo inteirinho
Com lágrimas de emoção
Dos olhares de fascinação
Desde o seu comecinho.

Sonhos de paz e candura
Dosados com suavidade
Ausente da rota ansiedade
Ponderadas com ternura
Pra não padecer amargura
Concebida pela falsidade.

Em minha alma fantasiosa
Poética, romântica e decente
Essa muda foi uma semente
Germinou forte e virtuosa
Vingou impecável e preciosa
Numa ingenuidade latente.

Curtida com zelosa paixão
Expandiu-se esperançosa
Assentando-se harmoniosa
Mimosa e plena de afeição
Desimpedida para doação
A outra alma carinhosa.

Humor: O "causo" do promotor


Certa vez um promotor de João Pessoa foi indicado para participar de uma audiência de justiça na cidade de Picuí, no Curimataú paraibano. Esse tal promotor (que não vou citar o nome!) tinha fama de tarado - não passava muito tempo sem mulher!
Em Picuí ele se hospedou num hotel da cidade e quando não foi a noitinha dirigiu-se ao gerente e fez o inusitado e secreto pedido! – É possível arranjar uma neguinha aí pra gente conversar lá no meu quarto? Mas eu quero algo bem discreto, entendeu?.
Claro que o gerente compreendeu a situação e depois de prometer resolver o problema, foi buscar uma “dama” que ele conhecia. Preocupado em agradar o cliente, ele ainda confidenciou a mulher: - Tenha cuidado! O Homem é promotor lá da capital e trate-o com respeito, pois não quero problemas pra o meu hotel!. Ela, então, comprometeu-se e garantiu: - Não se preocupe eu tenho experiência no tratamento com autoridades! Deixe comigo!
Apresentada à autoridade, subiram para o quarto e logo começou a seção de carícias. O clima esquentou e, naquele escuro, no auge do rala-e-rola sobre os lençóis, o tarado pediu: - Bote o dedo no c...! E aí, lembrando-se da recomendação do proprietário e preocupada em agradar, não se fez de surpresa e perguntou solícita e com todo o respeito: - No meu ou no de Vossa Excelência!...