quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Consumo de frutas


Comer frutas é essencial para o sucesso da dieta. Mas consuma moderada e regularmente e varie nas escolhas. Para obter os benefícios das frutas, é preciso ingerir de três a cinco porções por dia. Uma porção equivale, por exemplo, a uma fruta média, duas colheres de sopa de abacate, dez morangos, 15 uvas pequenas ou 15 jabuticabas.
As frutas também melhoram o funcionamento do intestino e eliminam toxinas. Leves, saudáveis e pouco calóricas, as frutas estão entre os alimentos que mais ajudam na perda de peso e na prevenção contra doenças. Ricas em vitaminas, fibras e sais minerais, além de bastante água, elas são extremamente importantes porque mantêm ativo o metabolismo e ajudam a controlar a fome, contribuindo para o emagrecimento.
As frutas devem ser sempre ingeridas junto com as refeições. No almoço e no jantar como sobremesa e nos lanches menores como componentes da refeição, pois o açúcar da fruta, a frutose, é absorvido mais lentamente na presença de outros nutrientes como a proteína e a gordura. É por isso que, quando combinada a um derivado de leite, como queijo ou iogurte, a fruta prolonga a sensação de “barriga cheia”.
Todas as frutas são boas. Elas têm vários nutrientes diferentes na sua constituição, portanto, é fundamental variar sempre. Para que você varie suas escolhas de maneira consciente, procure informações sobre o valor nutricional e o poder preventivo de cada uma delas.
O açaí, por exemplo, e uma boa alternativa para as pessoas que sofrem de anemia, mas quem tem diabetes ou gastrite deve evitar porque tem alto teor calórico. Outro exemplo, o chá feito com as folhas do mamão age contra uma ampla gama de tumores, incluindo os de colo do útero, mama, fígado, pulmão e pâncreas.
Fonte: MINHA VIDA - SAÚDE (http://www.minhavida.com.br/saude/materias/ – enviado por e-mail)

Humor!


Enviado pelo amigo Bira Viegas (por email)

Crianças x Facebook


O Facebook proíbe crianças menores de 13 anos de fazerem parte da rede, devido ao Ato de Proteção de Privacidade de Crianças Online, ou Coppa, que requer que empresas web exijam o consentimento dos pais que desejam permitir que crianças abaixo da idade estipulada criem uma conta ou façam parte de uma rede social. Para contornar a proibição, as crianças geralmente mentem suas idades - e os pais, algumas vezes, as ajudam a mentir, mas ficam de olho no que elas postam, tornando-se seus amigos no Facebook. De acordo com dados do Consumer Reports, existem mais de cinco milhões de crianças abaixo de 13 anos no Facebook. 
Deixar crianças controlando seus perfis na rede social pode trazer algumas consequências indesejáveis. O estudo, conduzido por cientistas da computação do Instituto Politécnico da Universidade de Nova York, encontrou em uma determinada escola uma pequena porção de estudantes que mentem suas idades só para conseguir criar uma conta no Facebook. O problema é que uma simples mentira pode ajudar completos estranhos a coletar dados importantes sobre a vida de um jovem e de seus colegas, colocando a privacidade de todos eles em risco.
O estudo também ilustra o paradoxo entre as leis de proteção a crianças e o que de fato acontece. Os achados mostram que os pais destas crianças se preocupam com sua privacidade e segurança, mas parecem não entender a gravidade dos riscos a que seus filhos e colegas de classe podem ser submetidos. 
O Facebook afirma, há muito tempo, que é difícil descobrir cada adolescente que mente sua idade, mas tenta proteger a privacidade de menores: quem tiver de 13 a 18 anos na rede, terá, automaticamente, suas fotos e atualizações de status liberadas apenas para amigos. No entanto, este sistema pode ser facilmente burlado se a criança se fizer passar por um adulto de 20 anos, por exemplo.
Matéria completa: http://canaltech.com.br/noticia/comportamento/Criancas-nas-redes-sociais-perigo-para-toda-a-familia/#ixzz2HTmxAczp