terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Momento lírico 119

AS SETE VIRTUDES
(Karl Fern)
Para antepor-se aos sete pecados capitais
Foram listadas sete importantes virtudes
Belos costumes que valorizam as atitudes
Nos seres humanos e seus convívios sociais
A serem seguidos como objetivos capitais
Dando ao homem sobriedade e magnitude.

Para refrear o demoníaco costume da gula
Quem quer comer tudo que a vista alcança
Deve portar-se com parcimônia e confiança
Controlando a frugalidade se auto estimula
Também o desejo de beber não se acumula
É a primeira dessas virtudes: a Temperança!

Disposição para bondade e para indulgência
Dar provas de elevação e de grandiosidade
Cassar avareza com excelsa magnanimidade
Qualidade de quem é nobre por excelência
Prodigalidade superando com munificência
É a segunda delas: a sublime Generosidade!

Para demolir a soberba com toda singeleza
Precisa -se viver com modéstia e sobriedade
Acatar o respeito sem fraquejar na dignidade
Ausência completa de orgulho e de fraqueza
Sóbria e plena de simplicidade por natureza
Nossa terceira virtude é a proba Humildade!

No Paraíso foi sentenciada uma obediência
Crescei e multiplicai-vos com humanidade
Não se iluda com pecado da promiscuidade
Sejam castos pra luxúria como continência
Mantenham sem casamento, a abstinência
A virtude que reza fidelidade, é a Castidade!

A verdade é que o trabalho faz melhor viver
Essa quinta virtude a própria vida nos ensina
Visto que a preguiça qualquer um desanima
Sendo o quinto pecado capital a combater
Para que do ócio e da vadiagem se defender
Precisa-se bastante operosidade e Disciplina!

A sexta virtude requer suportar resignação,
Maldade, ofensas e injúria com persistência
Demanda serenidade, constância e decência
Exercitar o poder de acreditar com precisão
Suportar ou encontrar constância e atenção
Calma e perseverança é a base da Paciência!

A sétima virtude é teologal por excelência
Amor a Deus e ao próximo, com bondade
Inversão da inveja na expressão da verdade
O crescimento espiritual com benevolência
Doação, humanitarismo, condescendência
É a essência da benigna virtude da Caridade!


Receitas de Aparecida – 19

ESCONDIDINHO DE BACALHAU
Ingredientes:
- 1 kg de batata cozida;
- 200 ml de leite;
- 1 xícara (chá) queijo ralado;
- 2 gemas;
- 200g de creme de leite;
- sal a gosto.
Recheio:
- 500 g de bacalhau;
- 4 colheres (sopa) de azeite;
- 1 cebola picadinha;
- 2 tomates picados;
- 1 lata de seleta de legumes;
- 1 xícara (chá) de azeitonas verdes;
- 1 xícara (chá) de salsa e cebolinha;
- Temperos à gosto.
Cobertura:
- 2 claras batidas em neve;
- 3 colheres (sopa) de queijo ralado;
- Queijo ralado para polvilhar.
Modo de preparo:
Em uma frigideira, aqueça o azeite e refogue a cebola,. Junte os tomates e o bacalhau cozido e previamente desfiado, a seleta de legumes, os temperos, a pimenta e as azeitonas. Cozinhe por alguns minutos. Adicione a salsa e a cebolinha. Misture, desligue e reserve.
Purê:
Coloque as bata as cozidas e passadas pelo espremedor, o leite e as gemas em uma panela. Leve ao fogo e mexa. Adicione o sal. O creme de leite e o queijo ralado. Cozinhe por alguns minutos. Unte um refratário com manteiga e polvilhe com queijo. Distribua parte do purê, o recheio e o restante do purê. Espalhe a cobertura. Polvilhe com queijo ralado. Leve ao forno pré-aquecido (180/C), por aproximadamente 10 minutos (até dourar).
Cobertura:
Na vasilha da batedeira coloque as claras e bata em ponto de neve. Desligue. Adicione queijo ralado e bata novamente
Fonte: ARAÚJO, M. A. – “Um prato diferente em seu final de semana”, Gráfica Villar, Parelhas, RN, 2011.

As 7 maravilhas do mundo antigo

Antípatro de Sídon ( ~ 190 - 140 a. C.), autor, poeta e escritor grego nascido em Sidon, é a quem normalmente se atribui a elaboração dessa lista (150 a C). Sua lista tratava de edificações imensas, templos e esculturas descomunais, pelo tamanho, beleza, riqueza e principalmente, pela magnitude da obra, porém era restrita a seu mundo conhecido, ou seja, o mundo helênico, o Médio Oriente e o Norte da África. Possivelmente viajou bastante dedicando boa parte de sua vida nessas visitando construções e coletando informações. Assim se explica porque a Muralhas da China não integrou sua relação.
O que ele considerou serem as sete maravilhas do Mundo Antigo, com o nome e o respectivo ano de construção, eram a Pirâmide de Quéops (~2600 a. C.), a única que chegou até nosso tempo, a Estátua de Zeus, no Olimpo (466-455 a. C.), o Templo de Diana, deusa também chamada de Artêmis ou Artemísia, na Turquia (~450-250 a. C.), o Colosso de Rodes, na entrada do porto de Rodes (287-274 a. C.) e que já não existia em seu tempo e também a mais lendária das sete, o Mausoléu de Helicarnaso (353 e 350 a. C.), na atual Bodrum, Turquia, o Farol de Alexandria, na ilha chamada de Faros, perto de Alexandria, e o Jardins Suspensos da Babilônia (600 a. C.).