sábado, 31 de agosto de 2013

Aos amigos!

Atenção amigos e leitores do blog!

Por motivo de viagem, só retornarei com as

publicações rotineiras na próxima terça feira

Até lá e um fraterno abraço


Política: Isso é demais!

Esta notícia chega a ser bizarra! Dói no âmago de qualquer um brasileiro que ainda tenha um mínimo de consciência! O Diário Oficial da União divulgou hoje a desapropriação do hotel Lunik Garden Spa & Resort, que funciona na cidade de Lapão Roliço, São Paulo que será transformado em presídio de segurança máxima.
No referido estabelecimento prisional, os condenados pelo escândalo que ficou conhecido por “Mensalão” cumprirão as penas em regime fechado.
Segundo o ministro da justiça, José Eduardo Cardozo, “a iniciativa faz parte de um projeto que tem por objetivo garantir mais dignidade aos brasileiros que cumprem pena. A dignidade da pessoa humana é um princípio constitucional”, afirmou.
Questionado o motivo pelo qual o projeto somente será iniciado quando os mensaleiros forem conduzidos à prisão, Eduardo explicou que “foi uma grande coincidência. Já pensamos nisso há muito tempo, mas só agora foi possível viabilizar”.
O ministro lembrou que as cadeias brasileiras estão entre as piores do mundo. “Essa situação foi inclusive constatada pelo presidente do Supremo (Tribunal Federal). Está na hora de mudar essa triste realidade”, conclui.
Esta entrada foi postada em Agosto 9, 2013 - Enviado por e-mail por meu amigo Bira Viegas em 30/08/2013. Na dúvida consulte o D.O. de 09/08/13.
Opinião: Nossa nação não tem mais jeito! Só uma revolução sangrenta e matando muita gente ruim, dissimulada, hopócrita,... Gente criminosa sob todos os aspectos! Infelizmente morrerão inocentes também visto que pra se defender, bandido não tem consideração com ninguém!

   

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

História 02 - As sacanagens clericais na colônia

Quando o padre Manuel da Nóbrega chegou à Bahia, em 1549, inaugurando a presença jesuítica na colônia, fez questão de manifestar sua insatisfação com a conduta do clero colonial. Os padres viviam atracados com índias, alegando que eram suas escravas! Além disso, absolviam todo tipo de lubricidade, sem dar qualquer penitência. Era caso de “chorar”, escreveu Nóbrega.
O padre Frutuoso Álvares, vigário no Recôncavo da Bahia de Todos os Santos, ao se apresentar ao visitador do Santo Ofício, na Bahia, em 29 de julho de 1591, disse que nos últimos 15 anos tinha cometido “tocamentos torpes” com 40 pessoas, “abraçando, beijando”, a começar por um jovem de 18 anos. Foi o primeiro a confessar que “fazia sacanas” desde o tempo em que serviu na Ilha da Madeira, sempre  com rapazes jovens.
Padre Jácome de Queiroz também se apresentou, de sua própria iniciativa, ao visitador, para confessar que tinha sodomizado duas índias. Alegou que o fez sem querer: como tinha tomado muito vinho, ao achegar-se às meninas, “errou de vaso” e, ao invés de penetrar no “vaso natural”, como devia (?), meteu seu “membro desonesto” no vaso traseiro, por vezes grafado no documento.
O mais incrível neste caso é que o visitador mal ligou para o fato de que as índias em causa eram duas meninas, uma de 6, outra de 7 anos. Hoje seria caso de pedofilia e abuso sexual de menores. Na época, não passava de sodomia.
No século XVIII, o frei franciscano Luís de Nazaré, vigário nas Minas, alegava ser exorcista sem sê-lo e, quando sabia de moças adoecidas e melancólicas, apresentava-se para curá-las, expulsando o demônio. De Bíblia na mão e com seu membro viril à mostra, jogava o “jogo dos punhos”, esfregando o sêmen pelo corpo da “possuída”. Preso pelo Santo Ofício, alegou que fez tudo por luxúria, não por acreditar que o sêmen era capaz de expulsar demônios. Acrescentou que as mulheres do Brasil eram tolas e acreditavam em qualquer coisa. A Inquisição só não disse “tudo bem” porque cassou as ordens sacras do frei.
Também no século XVIII, outro frade regular, pertencente à Ordem das Mercês do Pará, preferia rapazes. Gostava, em particular, de oferecer seu “vaso traseiro” e como por vezes o “vaso sangrava”, ele dizia que estava menstruado. Numa palavra: o frade das Mercês dizia que era mulher, disfarçada de frade. Ele acrescentou, como frei Luís de Nazaré, de Minas, que também os rapazes do Brasil eram tolos, acreditavam em tudo.
     Na verdade a Igreja nunca foi conivente com sodomias, pedofilias e abusos sexuais. Só conhecemos tudo isso porque a Igreja Católica tinha aparelhos de vigilância e punição dos padres que subvertiam a moral cristã. Puniam alguns, é verdade. Os papéis da Inquisição dão a prova. Os jesuítas, por sua vez, quase não aparecem como réus nesses escândalos e como diria Gilberto Freyre: eram donzelões intransigentes.

Resumo do artigo “As sacanagens clericais” do professor Ronaldo Vainfas, UFF (http://www.revistadehistoria.com.br/).

Sexo e poder no Brasil

De ferramenta de colonização e fé a algo que deve ser controlado e higienizado, o sexo no Brasil foi tema de capa da Revista de História no mês de junho de 2013.
O bandeirante João Ramalho casou-se com a filha do cacique Tibiriçá e com tantas outras que lhe pareceram estrategicamente formosas, porque, nos primeiros anos da colonização, o sexo era uma ferramenta importante para a colonização – e para a fé. Os jesuítas até tentaram disciplinar as práticas sexuais, mas em muitos casos se deram por vencidos, e capitularam. Até os mais virtuosos padres não resistiram às tentações destas terras.
Séculos depois, outras influências externas, fossem elas francesas ou africanas, escancaram cada vez mais as portas das alcovas, portas estas que foram novamente entrefechadas pela Ciência, esta grande substituta da Igreja.
Os ideais eugênicos defendiam que uma sociedade saudável e organizada sexualmente refletia diretamente seu nível de progresso. Mas Gilberto Freyre mostrou que a miscigenação era a nossa melhor singularidade. Longe de ser uma degeneração das raças, aperfeiçoava-as.
Texto de Cristiane Nascimento.

Fonte: BLOG SAIBA HISTÓRIA (http://saibahistoria.blogspot.com.br/)

Política: Um zumbi na Casa do Espanto

"Não acredito", bradou aos céus o deputado Natan Donadon, caindo de joelhos em patética pantomima, quando viu no placar da Câmara 131 votos a favor, 41 abstenções e 108 bem-vindas ausências, que mantinham o seu mandato e o consagravam como o primeiro deputado-presidiário da nossa história. Que ronco das ruas que nada, eles não ouvem e não têm medo, e mais uma vez votaram, ou fugiram, em causa própria, porque também acumulam processos na Justiça e podem ser o Donadon de amanhã.
"Não a-cre-di-to" digo eu, dizemos nós, diante da cena inacreditável, mas quando se trata dos 300 picaretas que Luiz Inácio falou deve-se acreditar em tudo, porque de tudo eles são capazes. Nunca na história deste país houve um deputado-detento, mas Lula agora diz que fica puto quando falam mal de políticos.
Donadon é o símbolo máximo do ponto mais baixo de uma instituição que existe para dar voz e poder aos representantes dos eleitores, mas, unindo o espírito de corpo ao espírito de porco, não hesita em se solidarizar com um condenado pelo STF, que teve amplo direito de defesa e usou todos os recursos e chicanas para retardar o processo.
No caso desse picareta foram ele e seus colegas de trabalho que tripudiaram sobre todos os cidadãos honestos e as instituições democráticas.  "Donadon é o símbolo máximo do ponto mais baixo de uma instituição que, unindo o espírito de corpo ao espírito de porco, não hesita em se solidarizar com um condenado".

Resumo da coluna de Nelson Motta, publicado no Globo de hoje.

Humor: Curtinhas!


1. recado na secretária eletrônica
- Provavelmente eu estou em casa. Apenas estou tentando evitar falar com alguém que eu não gosto. Deixe uma mensagem. Se eu não chamar de volta é porque é você!

2. Recado no ramalhete de flores:
- Com todo o meu amor e quase toda minha mesada!

3. Seu Manuel no mecânico
- Ó, gaijo! Eu queria consertaire a buzina do meu carro porque o freio não está muito bom!...

4. Paciente no consultório:
- De noite, eu durmo muito bem, doutor. De manhã, também. É de tarde que eu tenho um pouco de insônia!!!

5. Netinho para a vovó
Vóó! Se a senhora diz que faz maquiagem pra ficar bonita, por que é que não fica?!

História 01 - A origem das civilizações

A arqueologia distingue dois grandes e importantes períodos do homem pré-histórico, a Idade da Pedra Lascada e a Idade da Pedra Polida, épocas também chamadas, respectivamente, de Períodos Paleolítico e Neolítico. No início a população humana era nômade e os homens perambulavam em pequenos grupos, de uma região para outra, na constante busca por alimentos. Foi neste período, chamado de Pré-história, a milhares de anos atrás, que o homem aperfeiçoou as artes da sobrevivência e criou as primeiras formas de organizações sociais.
São testemunhos deste período ancestral as chamadas pinturas essencialmente rupestres que normalmente representam costumes específicos daquela era. Aparente-mente os “artistas pré-históricos” produziam suas pinturas em rituais ligados à caça, eram feitas em áreas relativamente protegidas da ação do tempo e onde eles mesmos se abrigavam e, em geral, retratavam animais caçados, flechas, dardos e figuras humanas.
Este tipo de “produção artística” não é raro e é encontrado em todas as partes do mundo onde o homem fez-se presente como habitante pré-civilizado. Na literatura aparece como exemplo clássico do período Paleolítico, a famosa pintura rupestre da caverna de Altamira, na Espanha, datada de mais de 10.000 antes de Cristo, onde um bisão tenta se defender inutilmente de um ataque de caçadores.
A origem do comportamento sedentário, a domesticação de animais e a criação da cerâmica, aos poucos foram definindo a passagem do período Paleolítico para o Neolítico. Além da cerâmica, o homem também inventou os tecidos, as primeiras ferramentas metálicas, criou os mais rústicos meios de transportes, descobriu a tração animal, etc. A história registra como pioneiros dessa alteração no padrão de sobrevivência algumas populações do Oriente Médio.
Fonte do texto: MICRODRENAGEM – UM ESTUDO INICIAL, 2010 (Prof. Carlos Fernandes)
Foto de pinturas rupestres do Sítio Arqueologico Xique-Xique - Carnaúba dos Dantas/RN


Momento lírico 194

A FLOR
 (Karl Fern)

Olhando pra àquela flor
Em meio a lírio e jasmim
Colorindo aquele jardim
Senti seu capitoso odor
Das pétalas de leve rubor
Jorraram sonhos em mim!

Lembrei o distante querer
Um romance enternecido
Onde me sentia querido.
Sozinho é difícil entender
Quem só deitou-me prazer
Tenha de repente sumido.

O que era eterno acabou
Feneceu a mimosa beleza
Floriu a dor da incerteza
Um sopro de vento levou
Monte de saudades restou
Regando mágoas e tristeza.

Flertando a flor tão viçosa
Ataviando o jardim florido
Mudo permaneci entretido
Com a imaginação copiosa
Uma lágrima fluiu teimosa
Fiquei introverso e perdido!

Fonte: MINHAS RIMA II

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Humor de Lute


Fonte: Blog ELIEL BEZERRA (www.elielbezerra.blogspot.com)

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Momento lírico 193

UMA PORTA SEM JANELAS
(Karl Fern)

Eram paredes vermelhas
Embaixo de mágicas telhas
No meio uma porta aberta
Uma abertura sem tranca
Envolta em névoa branca
De uma suavidade incerta.

Não se mostravam janelas
Mas as paredes tão belas
Pareciam mandar convites
Um chamado misterioso
Algo intrigante e delicioso
Uma atração sem limites.

Via-as cada vez mais perto
Em tal nevoeiro encoberto
Ouvi uma afável palpitação
Indo encantado e risonho
Senti que estava em sonho
Entrando em seu coração.
Fonte: MINHA RIMAS II                                                 


Difteria e tétano

A difteria é causada por uma bactéria, que é contraída pelo contato com secreções de pessoas infectadas. Ela afeta o sistema respiratório, causa febres e dores de cabeça, em casos graves, pode evoluir para uma inflamação no coração.
A toxina da bactéria causadora do tétano compromete os músculos e leva a espasmos involuntários. A musculatura respiratória é uma das mais comprometidas pelo tétano. Se a doença não for tratada precocemente, pode haver uma parada respiratória devido ao comprometimento do diafragma, músculo responsável por boa parte da respiração, levando a morte. Ferir o pé com prego enferrujado que está no chão é uma das formas mais conhecidas do contágio do tétano.
A primeira parte da vacinação contra difteria e tétano é feita em três doses, com intervalo de dois meses. Geralmente, essas três doses são tomadas na infância. Então confira a sua carteira de vacinação para certificar-se se a vacinação está em ordem. Depois delas, o reforço deve ser feito a cada dez anos para que a imunização continue eficaz.
Existe, pois, a vacina dupla tipo adulto para difteria e tétano. É nesse momento que os adultos cometem um erro, deixando a vacina de lado.

Fonte: MINHA VIDA (por newsletter!)

Dores durante o sexo

Desconforto pode indicar desde doenças cervicais a distúrbios psicológicos. Para algumas mulheres a penetração pode ser dolorida e desconfortável. Mas sentir dor durante o sexo é um forte indício de que há algum problema, seja físico ou psicológico.  Pode ser sintoma de doenças vaginais provocadas por bactérias ou fungos. Em alguns casos indica patologias vulvares e doenças cervicais, como mioma e endometriose. 
As patologias que podem provocar dor durante a relação sexual são infecções na vagina e vulva, como a candidíase, tumores benignos e malignos, doenças do aparelho urinário, como as cistites, lesões dermatológicas causadas por doenças sexualmente transmissíveis e traumatismos. Nesses casos, a dor costuma desaparecer após o tratamento da doença que provoca o desconforto.
Outra razão para sentir dor ou ardência durante a penetração é a falta de lubrificação. Esse problema pode acontecer, entre outros motivos, porque não houve estimulação suficiente nas preliminares. Por isso é tão importante que os parceiros tenham liberdade para conversar sobre o assunto. A lubrificação com produtos à base de água não prejudica o preservativo. Este problema é bastante prevalente nas mulheres que entram na menopausa. 
Para algumas mulheres, a dor na relação sexual nada tem a ver com infecções ou patologias cervicais. Nesses casos mais raros, a dor é provocada por fatores psicológicos como o vaginismo, um a contração involuntária, recorrente ou persistente, dos músculos do períneo adjacentes à vagina. Isso acontece sempre que há tentativa de penetração.  É um problema mais comum em mulheres jovens e naquelas que apresentam história de abuso ou traumas sexuais. Para quem sofre desse distúrbio, o tratamento deve ser individualizado e a orientação geral é procurar primeiramente o ginecologista.
Fonte: MINHA VIDA (via newsletter)                            


terça-feira, 27 de agosto de 2013

Vacinas para adultos

Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos negligenciam as campanhas de vacinação. Em todas as fases de nossa vida, porém, estamos suscetíveis a infecções por vírus e bactérias que, se não tratadas, podem causar muitos problemas. Há doenças que prejudicam a imunidade mesmo na idade adulta.
As doenças crônicas que se manifestam mais na vida adulta são fortes indicadores de que o individuo precisa se vacinar. Existem vacinas tanto para bactérias como para vírus. Confira sete tipos de vacinas que os adultos precisam tomar, que merecem estar na sua carteira de vacinação:
- Tríplice-viral - para sarampo, caxumba e rubéola;
- Contra difteria e tétano;
- Contra a hepatite B;
- Contra pneumonia;
- Contra a febre amarela;
- Contra gripe;
- Contra HPV.
Fonte: MINHA VIDA (por newsletter!)

Momento lírico 192

PSEUDO-IMORTAIS
 (Karl Fern)

Neste mundo tão pequeno
De pensamentos plurais
Somos os reis dos animais
Sejamos branco ou moreno
Destilamos tanto veneno
Que nos tornamos imorais!

Da ganância somos escravos
Cobiçamos o que não temos
Além daquilo que vemos
Armamos pios conchavos
Pra ganhar alguns centavos
As vezes por pouco menos.

Para o irmão desgraçado
Não temos a mínima pena
Não nos importa a cena
Talvez um pobre coitado
Que vai pagando o pecado
De não ter ido a novena!

Seguimos sem humildade
Minguando nossos destinos
Por caminhos peregrinos
Como donos da verdade
Sem ver nossa fragilidade
Na natureza tão pequeninos!

Alguns até lembram de Deus
Quando olham ao derredor
Miram que estão na pior
Pedem socorro pr’os seus
Logo esquecem os céus!
Quando se põem melhor

A vida é mesmo assim
Um arco-íris de ilusões
Muitos se acham Sansões
Julgam-se nunca ter fim
Mas cedo ou tarde, enfim
Serão da terra só porções!

Momento lírico 191

VINGANÇA
 (Karl Fern)

A vingança tem muitas cores
Conta um saber popular
Amargurante de suportar
Curvar-se em suas dores
Suportar seus dissabores
Sem ânimo pra respirar.

Até num escrito qualquer
De aparência inocente
Sente-se a crueza pungente
O furor do mal-me-quer
Venha de onde ela vier
Só quem sabe é quem sente.

Onde só se viam louvores
Tempos venturosos atrás
Arco-íris rubro, azul, lilás
Soam ódios e rancores
E prazeres torturadores
Ecoando e tirando a paz.

Por que maltratar assim?
Tratar como erva daninha
Com arroubos e picuinha
Ficar lembrando o ruim
Tratar como um vil cupim
Quem foi abelha rainha?


Ambiente - As lontras da Califórnia

A vegetação marinha está diminuindo em todo o mundo devido ao uso excessivo de fertilizantes e outros nutrientes provenientes da exploração agrícola e das áreas urbanas em águas costeiras, impulsionando o crescimento de algas, que impedem que a vegetação marinha receba luz do sol e reduzindo esta flora.
Mas nas últimas décadas, a vegetação marinha do Estuário de Elkhorn Slough, no norte da Califórnia, voltou a crescer. Estudos de várias décadas do declínio e a recuperação dessa vegetação, constataram que o aumento da população de lontras (desde 1984) foi um fator chave para a recuperação do meio ambiente.
Estes animais não têm impacto direto na vegetação marinha, mas ajudam a preservá-la, ao comer grandes quantidades de caranguejos. Alimentando-se dos crustáceos, elas eliminam uma ameaça chave para as lesmas-do-mar. Por sua vez, as lesmas-do-mar comem algas e permitem que as plantas marinhas se mantenham saudáveis.
Assim, o retorno das lontras a um dos maiores estuários da Califórnia permitiu recuperar a vegetação marinha, que serve de habitat para os peixes e desempenha um papel essencial na proteção dos ecossistemas costeiros.
Isto significa que a presença de um predador ajudou a salvar o ecossistema. Este estudo proporciona um exemplo dos efeitos em cascata sobre o ecossistema pelos transtornos da cadeia alimentar.

Fonte: TERRA

Agentes biológicos de doenças

Os principais agentes biológicos encontrados nas águas contaminadas são os parasitas, as bactérias patógenas e os vírus.
Parasitas são animais unicelulares que se alimentam do sangue de outro. Nascem e/ou crescem e/ou se reproduzem em outros corpos organizados. Em geral são protozoários, vermes ou fungos. São exemplos de doenças conhecidas em nossa região:
-     provocadas por protozoários: as amebíases, tricomonas, doença de Chagas, malária, entre muitas outras;
-     provocadas por vermes: amarelão, lombrigas, filariose, solitária, esquistosomose, etc;
-     por fungos: micoses em geral (pé de atleta, candidíases, algumas dermatoses, etc.)
Bactérias são parasitas unicelulares que constitui a classe dos esquizomicetos, e cujos tipos morfológicos fundamentais são os cocos, os bacilos e os espirilos. As bactérias patógenas encontradas na água e/ou alimentos, constituem uma das principais fontes de morbidade e mortalidade em nosso meio. São os responsáveis pelos numerosos casos de enterites, diarreias infantis e doenças epidêmicas com resultados frequentemente letais. Exemplos de doenças bastante conhecidas em nosso meio, também provocadas por bactérias são: leptospirose, tifo, febre tifoide, brucelose, lepra, cólera, difteria, tétano, meningite, coqueluche e várias doenças venéreas, doenças nos olhos e na boca. OBS: chama-se morbidade a capacidade de produzir doença numa pessoa ou num grupo delas.
Vírus são diminutos agentes infecciosos, invisíveis, com algumas exceções, pela microscopia óptica, e que se caracterizam por não terem metabolismo independente e terem capacidade de reprodução apenas no interior de células hospedeiras vivas. São típicas doenças viróticas e comuns em nossa região, as gripes e resfriados, catapora (varicela), rubéola, sarampo, caxumba, febre amarela, raiva e hepatite e poliomielite viróticas e alguns tipos de doenças venéreas. Os vírus mais comumente encontrados nas águas contaminadas por dejetos humanos são os da hepatite infecciosa e da poliomielite.

Fonte: ABASTECIMENTO DE ÁGUA (Prof. Carlos Fernandes)

A água na natureza

A água é a substância simples mais abundante no planeta Terra e pode ser encontrada tanto no estado líquido, gasoso ou sólido, na atmosfera, sobre ou sob a superfície terrestre, nos oceanos, mares, rios e lagos. Também o constituinte inorgânico mais presente na matéria viva: cerca de 60% do peso do homem é constituído de água e em certos animais aquáticos esta porcentagem alcança 98% (SPERLING, 1996, p. 12).
Cientistas estimam que o nosso planeta tem três quartos de sua massa só de água (1,36 x 1018 m³ segundo SPERLING, 1996, p. 12) com 1,5 x 1012 metros cúbicos em estado livre no planeta (A. NETTO et alli, 1998, p. 536). Os mares e os oceanos contêm cerca de 97,4% de toda essa massa, as geleiras e as capas polares 2%, aquíferos subterrâneos 0,585%, rios e lagos superficiais 0,0140% e na atmosfera 0,001% (A. NETTO et alli, 1998, p. 536). Ou seja, apenas 0,6% de água doce dos quais 97,5% são de águas subterrâneas, 2,4% são de águas superficiais disponíveis em os rios e lagos, e 0,1% na forma de vapor d’água na atmosfera.
A maior parte das águas subterrâneas encontra-se em condições inadequadas ao consumo ou em profundezas que inviabilizam sua exploração. Diante desta situação é de importância fundamental para o futuro da humanidade, e sua própria sobrevivência, que se valorize a preservação dos recursos hídricos do planeta em suas condições naturais.

Fonte: ABASTECIMENTO DE ÁGUA (Prof. Carlos Fernandes - 2010)

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Momento lírico 190

CENAS OPOSTAS
(Karl Fern)

Não há cena mais preciosa
Que uma mulher sorrindo
Lágrima dos olhos fluindo
Numa face feliz e mimosa
Caindo brilhante e graciosa
Coloridos raios refletindo!

Ternura no rosto festejada
Olhar ingênuo e cantante
Alegria feminina cativante
Uma respiração sossegada
Feliz sentindo-se amada
Nos braços do fiel amante.

No sublime véu da bondade
Tem singelo dom natural
Um ser único e especial
Exemplo de serenidade
Encanto com maviosidade
Pra sempre um ser virginal.

Não há cena mais chocante
Que uma mulher chorando
Lágrima sofrida escoando
Riscando doído semblante
Viva infelicidade gritante
Desassossegada soluçando!

Quem só queria ser amada
Cândida confiança traída
No amor próprio ferida
No imo da alma maculada
Sacra intimidade violada
Pela violência agredida.

No aflito véu de tristeza
Refém de cruel desatino
O dócil coração feminino
Segue forte por natureza
Não desvirtua sua beleza
Mesmo sem paz no destino.
Fonte: MINHA RIMAS II