quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Refluxo

O refluxo é um processo que representa uma falha no esfincter inferior do esôfago, permitindo a volta do conteúdo acidificado do estômago para o citado esôfago. O material ácido pode atingir a faringe e até a boca, provocando, tal como na pirose, ardor, queimação, mal estar e em casos extremos a morte.  O sintoma mais comum é uma sensação de queimor retroesternal e epigástrica, que pode subir até à garganta, junto com e sensação de regurgitação. Não significa necessariamente doença e todo mundo tem, uns mais outros menos. Ele é comum e ocorre diversas vezes ao dia em todas as pessoas, mas por curtos períodos de tempo, o suficiente para esse ácido ser eliminado do esôfago rapidamente.
No caso de simples refluxo ou até mesmo a demorada azia, como um desconforto que ocorre geralmente após uma refeição ou quando você se deita, é previnível tomando-se as seguintes providências:
1.       Não comer demais, ao invés disso, fazer refeições menores com mais frequência;
2.       Evitar alimentos gordurosos ou ácidos;
3.       Evitar prisão de ventre para o intestino não aumentar a pressão abdominal;
4.       Parar de fumar;
5.       Evitar cafeína, para não aumentar a produção de ácidos no estômago;
6.       Só se deitar depois de 20 minutos após as refeições;
7.       Perder peso.
Em casos mais graves, a mucosa do esôfago pode ter sua resistência diminuída ou o ácido refluir mais vezes ou por mais tempo que a mucosa esofágica possa resistir. O ácido pode ainda refluir até a garganta ou causar sintomas pela simples irritação do esôfago. Nessas situações, o refluxo deixa de ser considerado normal e trata-se de doença do REFLUXO GASTROESOFÁGICO, a DRGE.
Pacientes com problemas respiratórios como asma ou broncopneumonia, tosse crônica, pigarro, rouquidão ou até dificuldade para engolir e dor torácica crônica, náusea ou sinusite, podem ter como causa dos seus problemas uma DRGE. Os fatores predisponentes mais comuns são a presença de hérnia do hiato esofágico, obesidade, alimentação desregrada e tabagismo.
Se alguém possui algum dos sintomas citados procure uma clínica especializada. O exame mais eficiente para diagnóstico da presença de uma DRGE é a pH-METRIA ESOFÁGICA DE 24 HORAS. A presença de bile refluída do duodeno pode indicar um tipo mais grave de DRGE, chamado Esôfago de Barrett, intimamente ligado ao câncer do esôfago.
Fonte principal: REVISTA SAÚDE (ano 04,  n° 06, nov 2012)