domingo, 16 de dezembro de 2012

Momento lírico 111

POEMINHAS SOLTOS
(Karl Fern)

FOI ASSIM...
Vi você entre meus braços
Praticando mil loucuras
As mais sublimes doçuras
No calor de beijos e abraços
E no fogo de muitos laços
Sorvi seu suave cheirinho
Amei cantinho por cantinho
Ocupei seus mimosos espaços
E no meio de tantos amassos
Acordei só... Chorei baixinho!

HUMILDADE
Pensei que sabia muito
Que era assaz instruído
E bastante esclarecido
Pra atingir o meu intuito
Num pensamento fortuito.
Cortei o mal pela raiz
Foi o mais digno que fiz
Pois logo pude perceber
Que enquanto vida eu tiver
Serei um eterno aprendiz!

PORQUE?
Como sendo tão bom na vida amar
Viver tranquilo e se querendo bem
O homem percebe isso com desdém
Esquece o prazer do que é namorar
Pensa só riqueza e poder acumular
Permanece vivendo em pé e guerra
Às vezes por um pedacinho de terra
Não vai ter de vida nem mais um dia
Pra depois que morrer nessa agonia
Não valer nem o que o gato enterra.


Preservação da água

É, sem dúvida, o maior desafio do século XXI preservar as fontes de desse elemento vital para a humanidade. O Brasil, apesar de privilegiado em suas reservas de água doce na Terra, ou seja, possui cerca de 12% do total, não está imune à escassez e ao mau uso. Além da má distribuição dessas reservas pelo território nacional, mesmo em regiões onde aparentemente há boas reservas, já há sinais preocupantes. São Paulo, por exemplo, tem previsão que em 10 anos passar a sofrer problemas terríveis com a escassez de recursos hídricos.
Além da má distribuição, as reservas de água potável no Brasil possui um grande vilão: a poluição. No nosso país, vergonhosamente entre 85% a 90% dos esgotos domésticos e cerca de 70% dos efluentes industriais são lançados diretamente nos corpos d’água, sem nenhum tipo de tratamento. Estima-se que 70% das águas dos rios, lagos e lagoas do Brasil estejam poluídos e esse nível de sujeira tende a crescer aceleradamente.
A maioria dos corpos de água que estão ou atravessam as cidades brasileiras encontram-se em condições lastimáveis de degradação por terem se tornados receptores de despejos líquidos domésticos e industriais, além de acumularem lixo de toda natureza.
Não dá pra esperar mais. Os governos precisam providenciar mudanças estruturais urgentes para a questão do gerenciamento da água e do lixo que permitam projetar um futuro em condições de sobrevivência sadia e confortável! A população necessita aprender a cobrar qualidade e não só quantidade de água. E os políticos têm de deixar de ser sem-vergonhas ou analfabetos no assunto e providenciarem medidas que permitam reverter essa tendência perversa e maligna.

Fonte principal: REVISTA BIO


Chocolate

Difícil encontrar quem resista a um bom chocolate. É um dos doces mais consumidos mundo afora e agrada diferentes paladares. As opções, que antes se restringiam aos clássicos branco, ao leite e amargo, multiplicaram-se com o passar dos anos e hoje é possível encontrar uma infinidade de sabores, formas e cores. Inclusive os chamados chocolates finos, com apresentação esmerada e destinados a agradar paladares mais exigentes.
O chocolate é um alimento feito com base na amêndoa fermentada e torrada do cacau e a forma como é consumido hoje é resultado de sucessivos aprimoramentos realizados desde o início da colonização da América. Sua origem (~1500 a.C.) remonta às civilizações pré-colombianas da América Central. O produto era consumido pelos nativos na forma duma bebida quente e amarga, de uso exclusivo da nobreza. A partir das viagens de Colombo, foi levado para a Europa, onde se popularizou, especialmente a partir dos séculos XVII e XVIII. Os europeus passaram a adoçar e a misturar especiarias, especialmente o açúcar, para adequá-lo ao seu gosto.
Com o desenvolvimento dos processos industriais e técnicas culinárias, surgiu o chocolate com leite e depois como sólido e hoje é encontrado em diferentes formas como em pó, como sólido em barras, os ovos e bombons, ou líquida, como nos achocolatados. Além de ser consumido puro, é também ingrediente de um grande número de alimentos como bolos, tortas, biscoitos, mousses, sorvetes e muitas outras variedades de doces.
A primeira chocolateria do mundo foi inaugurada em Londres (1657). Anos mais tarde, no século XIX, a guloseima foi apresentada em barra e, a partir daí, sua popularidade não parou de crescer. Pessoas de todas as idades se apaixonaram pelas variação desse quitute em todos os cantos do planeta. No Brasil, a capital de maior concentração chocólatras é Curitiba (73% dos moradores). A de menor é o Rio de Janeiro, mesmo assim pouco abaixo (63%)
Paralelamente, o chocolate passou a ser associado a determinadas festividades, como é o caso da Páscoa. Além disso, com as descobertas científicas, foram conhecidas algumas propriedades que o relaciona, especialmente na versão amarga, à saúde humana. Contudo, o mesmo não se aplica a diversos animais domésticos como os cães, por exemplo, para os quais pode chegar a ser tóxico.

Fontes principais: DOCOL MAGAZINE (Ano 4 – Edição 13)  e WIKIPEDIA (http://pt.wikipedia.org/wiki/Chocolate )