segunda-feira, 15 de outubro de 2012

15 de outubro: Dia do Professor


No dia 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil, mas foi somente em 1963, 136 anos após, que a data foi efetivada como Dia do Professor, oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro.
Na maioria dos países a data comemorativa é 10 dias antes, 5 de outubro, e em alguns é feriado e outros não! Na Índia é 5 de setembro, dia de nascimento do ex-presidente e professor indiano Dr. Sarvapalli Radhakrishnan. e não é um feriado, mas um dia comemorativo e de muitas atividades especiais alusivas e oportunas nas escolas.
Existem muitas outras datas como Dia do Professor em outros países. Veja a página Dia do professor/ WIKIPEDIA (http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_do_professor).
Em agradecimento aos cumprimentos recebidos nesta data de vários do meus ex-alunos e alunas eu ensaiei estes versos: 
Obrigado!

Ser um profissional abnegado
Um eterno idealista
Religioso ou materialista
Sempre tive amor a profissão
Fui um formador de opinião
Sem desvirtuar a ciência
Procurei mostra competência
Enquanto a todos ensinava
O que sabia lhes passava
Pra poderem entrar no mercado

Quando não era compreendido
Em minha demonstração
Sentia-me frustrado na missão
De transmitir sabedoria
Minha autoestima se esvaia
Enquanto não podia convencer
Aquele que queria aprender
Com os meus ensinamentos
Pra em futuros momentos
Cada um lembrar agradecido.

Assim é com muitas alegrias
Que recebo estas mensagens
Agradeço estas homenagens
De ex-alunos mui queridos
Que com tempos transcorridos
Ainda lembram de mim
Com tanto carinho assim
Eu me sinto abençoado
Ainda que mesmo aposentado
Serei professor todos os dias.

Momento lírico 82

A SUBLIME LOUCURA
(Karl Fern)

Entre lençóis farfalhantes
E travesseiros enfronhados
Há dois corpos abraçados
Vivendo o clímax dos amantes
Entre estertores ofegantes
Seguindo delírios desejados.

São dois entes enamorados
Sob o domínio da ansiedade
Saciando com intensidade
Os seus impulsos acumulados
De volúpias impregnados
Na mais delirante felicidade.

São seres em terna vontade
Unidos por intensos desejos
Um mundo de imensos almejos
Na mais emblemática intimidade
Banhados no suor da sublimidade
Livres de vergonhas e pejos.

E nos improvisados ensejos
Figuras se movem em torpor
Num simbolismo sedutor
Numa imensidão de lampejos
Suspiros soam como solfejos
No mais esplêndido ato de amor!