domingo, 3 de junho de 2012

Opinião: Salários de vereadores

Para reforçar o painel acima, nunca faltou quem quisesse ser vereador. Sempre sobraram candidatos. Isso porque nunca faltará quem honestamente goste de política e tenha interesse público, tanto na busca de benefícios como fiscalizando os investimentos oficiais.
E ainda por cima é um dos maiores salários do país. Basta dividir o salário pelo número de reuniões mensais (e olhe que nem se acham obrigados a participarem e faltas não são novidade!)! Salvo poucas exceções, vários deles têm seus negócios e rendas particulares, que não deixam quando se elegem! Mais uma razão para não terem salários!
Qual foi o eleito que abandonou sua atividade particular porque foi eleito vereador!  Continuam atuando em sua loja, em sua fazenda, vendendo parabólicas, com seu emprego, com sua aposentadoria, fabricando uísque, com sua casa de jogo, etc, etc...  do mesmo jeitinho de antes. A edilidade funciona como um “bico” entre todas as suas atividades.
E para radicalizar, acho que todos os políticos em cargos eletivos não deveriam ter salário e, sim, apenas as diárias de deslocamento quando justificáveis. Pois todos eles são eleitos, assumem seus cargos e não deixam suas atividades particulares e continuam obtendo teoricamente as mesmas rendas. A não ser que abrissem mão dessas suas outras rendas, como acontece com o mortal trabalhador brasileiro quando assume outro emprego!
Isso é uma opinião e não estou dizendo que estão errados em receber salários, pois se a Constituição Nacional permite, então legalmente é até um direito. O que está errado são as leis que permitem essas aberrações...

Hoje: 3 de Junho

Dia Internacional do Administrador de Pessoal e da Comunidade Social, eventos criados pelo colegiado da ONU em homenagem aos Administradores do Pessoal e entidades que tratam da comunidade em termos sociais.

Em 1963 morria Angelo Giuseppe Roncalli, o João XXIII (1881-1963), 262.º Papa da Igreja Católica Romana (1958-1963), e em 1974, o Jornal Hoje passa a ser exibido em todo o Brasil em rede nacional, pela Rede Globo.

Em 1998 era sancionada pela Presidência da República a LEI Nº 9.657 que criava no âmbito das Forças Armadas, a Carreira de Tecnologia Militar e sua Gratificação de Desempenho de Atividade de Tecnologia Militar.

Em 2011 a ONU declara o acesso à Internet um Direito Humano, ou seja, impedir os usuários de acesso à internet, independentemente da justificação dada, nomeadamente por razões de violação de direitos de propriedade intelectual lei ou por questões políticas, constitui uma violação do artigo 19, parágrafo 3, do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos Direitos .

Fontes: SÓ BIOGRAFIAS (http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/) e WIKIPÈDIA (http://pt.wikipedia.org/)

Nova ortografia - Lição 02

A) Trema
Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra "u" para indicar que ela não era muda nos grupos "gue, gui, que e qui". Exemplos: “cinqüenta” mudou para “cinquenta”; “tranqüilo” agora se escreve “tranquilo”.
Ainda se usa esse sinal em palavras estrangeiras e derivações  como em Müller e  mülleriano.

B) Acentuação aguda em paroxítonas
1 - Acabou a acentuação nos ditongos abertos das palavras “paroxítonas”, ou seja, “éi” e “ói” agora são simplesmente “ei” e “oi” respectivamente. Exemplos: “asteróide” agora é “asteroide”; “heróico” hoje escreve-se “heroico”; “idéia” mudou para “ideia”; “jóia” passou a ser “joia”.
2 – Também nas palavras paroxítonas, no “i “e “u” tônicos quando vierem depois de um ditongo. Exemplos: “fera” ficou como “feiura”.

OBS: Situações semelhantes, mas com palavras oxítonas continuam acentuadas. Exemplos: papéis, herói, Piauí, troféu, tuiu.

Colaboração: Professora Lucena Fernandes