sexta-feira, 4 de maio de 2012

Bicudo ou Bacurau?

Em Jardim tem verdes, tem vermelhos e tem descoloridos e multicoloridos. Tem verdes e vermelhos fanáticos, tem verdes e vermelhos apaixonados, tem verdes e vermelhos moderados e tem os que procurem nos verdes ou nos vermelhos aqueles que são sinceros e que sabem e querem administrar. Aqueles que realmente têm intensão de trabalhar pelo bem da população de Jardim. E eu sei que tem gente assim tanto no verde como no vermelho e nos neutros.
E eu sou daqueles que estão tentando acertar em quem é realmente competente, em quem realmente tem plano de governo, tem potencial. Eu sou do “lado e Jardim” porque eu amo minha terra natal e quero ser visto como exemplo de um bom cidadão! E não venham me tachar de verde, vermelho, politiqueiro, farinha do mesmo saco e ouros adjetivos maléficos, porque isso é conversa de quem não tem argumento, de quem não tem ideias, de quem não tem competência, de quem não é democrático, de quem sequer tem capacidade de manter um diálogo civilizado.
Nessa busca eu já votei em prefeito que achou que a Prefeitura era dele, em prefeito que deixou de pagar o funcionalismo municipal e deixou cortar a energia dos prédios públicos por falta de pagamentos (ações desastrosas nunca vistas antes!) e, ultimamente, em prefeito que mistura política com religião e que só sabe dizer que a culpa é do seu antecessor e ainda por cima manda que os incomodados se retirem (pasmem!) como se todos não fossem jardinenses. Já pensou ganhar nove mil reais de salário para isso?
Mas eu vou continuar tentando, conversando e fazendo minha parte. Não é fácil, pois muitos não querem escutar nem dialogar e somente boicotar quem não reza com seus interesses pessoais. Só votando independentemente, sem vender o voto, sem paixões, sem fanatismos, sem intenções perversas para se locupletar, é que podemos acertar e mudar. Afinal Jardim é de todos nós. Não é só verde nem só vermelho! E lembre-se: O candidato pode ser uma ótima pessoa, mas não quer dizer que foi, é ou será um grande administrador!
Não deixem de votar! Cobrem programas dos candidatos. Cobrem compromisso do candidato de sua simpatia, mas não se omita na hora de decidir. A escolha certa será benéfica para todos, menos para aqueles sanguessugas do poder que só sonham viver na moleza, as custas da Prefeitura e fazendo o povo de otário. São esses que ficam fomentando a intriga entre os verdes e vermelhos como se a democracia só existisse pra quem for do seu lado partidário. São esses que temos de banir das proximidades do poder responsável pelo zelo e bem-estar da comunidade. QUEM QUER CONSTRUIR NÃO COMEÇA DIVIDINDO!

Momento lírico 14

SAUDADE X  SORTE
(Karl Fern)

Como explicar essa saudade
Que mora nesse meu peito
Escapa da força de vontade
Você longe, não há jeito.

Se não estamos juntinhos
Minha vida segue vazia
Fecho os olhos aos pouquinhos
Busco flashes em fantasia.

Em minha mente de multicores
Recordo ensejos de amor
Penso um mar pleno de flores
Tento amenizar minha dor.

Esse amor não programado,
Cresceu lindo, firme e forte!
Sem corpos e sem passado
Como um desígnio da sorte.

Atos fictícios, mas carinhosos
Encontros meramente virtuais
Tomaram rumos tão mimosos
Exigiram encontros pessoais

Lembro-me do primeiro contato
Da timidez de sua mão
E aquele sorriso... de fato
Enlouqueceu meu coração.
E um abraço comportado
Logo se tornou mais atrevido
E nesse momento acalorado   
Por seu olhar fui seduzido.

Sua boca tornou-se uma flama
De imensurável clamor
E o encanto daquela chama
Sublimou o derradeiro pudor.

Cessou a noção donde estava
Não me interessava quem veria
No instante era você que contava
Naquele recinto só você existia.

Parece que tudo foi sinérgico
Fulgurante desejo simultâneo
De um sonho lúdico, mágico
Um clima de amor instantâneo

A cada dia mais lhe adoro
A sua presença me acalma
O seu perfume eu imploro
Toca fundo a minha alma

Não é tão fácil dominar
Este sentimento profundo
Com seu jeitinho de amar
Sou o mais sortudo do mundo!



Cisternas domiciliares

Finalidade
A água de pode ser armazenada em cisternas, que são reservatório fechados para acumular a água da chuva captada da superfície dos telhados dos prédios ou casas. A cisterna tem aplicação tanto em áreas de grande pluviosidade (áreas em que chove muito) como em áreas secas, onde se procura juntar a água de época das chuvas para usar na época da seca com o propósito de garantir, pelo menos, a água para beber.

Funcionamento
Conforme as figuras 01 e 02, nós vemos que:
1.       A água da chuva cai do telhado nas calhas (em algumas localidades são chamadas de bicas);
2.       Das calhas a água desce para os condutores verticais (canos fechados);
3.       Dos condutores verticais escoa pelos ramais (também canos fechados);
4.       Finalmente, dos ramais para a cisterna, passando por um dispositivo desconector, para evitar entrada de água suja na cisterna, especialmente das primeiras chuvas.

Recomendações
1.       Onde há pouca mão-de-obra especializada, aconselha-se a construção de cisternas não enterradas.
2.       Por outro lado não se deve aproveitar as águas das primeiras chuvas, pois estas lavam o telhado onde se      depositam sujeiras provenientes de pássaros e de animais e poeira.
3.       Para evitar que estas águas entrem nas cisternas, devemos usar desconectores nos condutores de descida ou nos ramais, como os mostrados nas figuras 01 e 02, que normalmente devem permanecer desligados.
4.       Antes do uso cada cisterna deve passar por uma desinfecção inicial.

Fig. 01 - Cisterna com desconector para não deixar água suja entrar no tanque
 
Fig. 02 - Esquema para instalação de uma cisterna com bombeamento
Fonte: Notas de Aula (http:www.dec.ufcg.edu.br/saneamento/)