terça-feira, 3 de abril de 2012

Momento lírico 08




OLHAR ERRANTE
(Karl Fern) 

Com olhos impacientes
Observo  o firmamento,
E vejo nuvens ao vento
Singelas, dóceis, dolentes
Por ele sendo levadas,
Sombreando as calçadas,
Suavizando o pensamento.

Raios de sol vão tecendo
A régia claridade do dia,
Mudando a manhã fria
E na natureza nascendo
Um outro dia mais quente
Encorajando agilmente
A minha mente sombria.

Do sono antes passado.
Na noite em quietudes
Faz-me tomar atitudes,
Tornando mais animado
O despertar para a vida.
E lembro você querida
Sua aura, suas virtudes.

Não vê-la aqui ao meu lado
Vem-me malvada certeza
Sedento de sua beleza
Fico inválido, desolado
Torna meu olhar errante
E tê-la de mim distante
Sofro profunda tristeza.

Logo minha alma anima
Meu corpo se revigora
O ar triste vai embora
Cresce minha autoestima
Lembrando que brevemente
Seus braços irei novamente
Ter outro romper de aurora.

Um sonho de sãs fantasias,
De momentos fascinantes
Como dois grandes amantes
Embriagados nas melodias
Dos acordes das paixões
Em mutantes emoções
E prazeres sussurrantes.