quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Personagens bíblicos - 01

José do Egito (~ 1700 a. C.)
Bíblico personagem judeu, cuja história é narrada nos últimos capítulos do Gênesis e que na engenharia das águas subterrâneas é citado como construtor no Cairo, Egito, de um histórico poço com cerca de 90 metros de profundidade escavado na rocha dura.
Filho predileto de Jacó, patriarca de Israel, e de Raquel, por causa disso seus invejosos irmãos venderam-no como escravo e disseram ao pai que ele havia morrido. Comprado posteriormente por Putifar, chefe da guarda do faraó do Egito, logo conquistou a confiança do amo por causa de sua inteligência.
Acusado injustamente de tentativa de sedução pela mulher de Putifar acabou preso, porém no cárcere, ficou conhecido por sua habilidade na interpretação de sonhos. Certo dia o faraó sonhou com acontecimentos que os sacerdotes não conseguiram explicar, e mandou que o trouxessem  ao palácio. Depois de ouvir o relato dos sonhos do soberano, fez a divina previsão de que a região experimentaria sete anos de grande prosperidade, aos quais se seguiria igual período de seca e fome e aconselhou então ao faraó que, ao longo do primeiro período, os sete anos de prosperidade, armazenasse alimentos para os anos de penúria. Impressionado com a sabedoria do jovem, o faraó nomeou-o administrador do palácio.
A profecia se cumpriu à risca e nos anos de escassez, entre os flagelados que se refugiaram no Egito estavam seus irmãos. Ele os perdoou e trouxe seu pai, Jacó, e toda a família para morar com ele, no Egito, onde permaneceu até a morte. Antes de morrer, fez a última previsão para a sua família: que Deus os levaria para a terra que prometera dar a Abraão, Isaac e Jacó. Com sua morte termina o livro bíblico do Gênesis. Seus filhos Manassés e Efraim deram nome a duas tribos de Israel.
Fonte: SÓ BIOGRAFIAS (http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/JoseEgit.html)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Água Subterrânea na Idade Antiga

O emprego de águas subterrâneas é tão antigo como a história da civilização humana. Porém não há registros de estudos científicos acerca das águas subterrâneas, na idade antiga. Tudo era empírico e o desconhecimento técnico sobre as águas subterrâneas sobre sua origem e destino era total entre os antigos cientistas. Entre as muitas hipóteses errôneas tinha uma muito popular: acreditava-se que a água do mar era convertida em água potável através da infiltração.
Desde 5000 a.C. se encontra indícios de perfuração de poços na China. Nos dois mil anos seguintes muitas civilizações antigas fundamentavam-se nos amplos suprimentos de águas subterrâneas tão bem como nos de água superficial. Neste período também muitas civilizações declinaram por falta de água.
Cerca de 2.100 anos a.C., no fim da 11ª dinastia egípcia, um dos chefes do exército de Mentuhotep relatou a escavação de 14 poços por 3.000 homens. Quatro séculos depois, Senacharib usou polias para elevar a água de poços.
O poço de José, na cidade do Cairo, ficou conhecido pela perícia revelada na sua execução. Esse poço foi escavado em rocha sólida e em duas partes: a superior, com cerca de 50 m de profundidade e seção de 5,50 x 7,30 m e, a inferior, com cerca de 40 m de profundidade, perfazendo um total de 90 m. A água era levantada por caçambas sobre uma corrente sem fim. As caçambas do poço inferior eram acionadas por muares que se moviam numa câmara no fundo do poço superior.
Datam de cerca de 800 anos a.C. a construção de túneis e poços escavados em várias partes do mundo. Os persas construíram túneis e poços para atingirem os aquíferos, enquanto que os egípcios e chineses estavam bastante familiarizados com métodos de escavação para obter água do subsolo.
As primeiras ideias sobre o ciclo hodrológico foram formuladas pelo filosófo grego Anaxágoras (500 a 428 a.C.) que suspeitou da relação entre a precipitação e a recarga dos mananciais subterrâneos. Depois foi Aristóteles (384 a 322 a.C.) que teceu as primeiras noções corretas sobre o ciclo hidrológico, ou seja, que a água evaporava dos oceanos, formava nuvens, caía como chuva e parte dela infiltrava no terrreno, indo acumular no subsolo.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Para refletir!

África: Consequências da POBREZA!

Maranhão: Consequências da SAFADEZA!
Quando dizem
"Cada povo tem o governo que merece",
eu discordo e afirmo:
"Cada povo tem o governo que escolhe!"
Fonte das fotos: FACEBOOK

domingo, 28 de outubro de 2012

Mandacarus = Cardeiros


Quem foi criança como eu, na zona rural do Seridó, 
e olhar estas fotos certamente viverá uma emocionante
e peculiar lembrança que só um sertanejo sabe o que é sentir!

(2011: Fotos que tirei no Sítio São Roque, hoje municípío de Ouro Branco)

Biografias de brasileiras

Cecília Benevides de Carvalho Meireles (1901-1964)
     Poetisa, professora, pedagoga e jornalista nascida na cidade do Rio de Janeiro, RJ, cuja poesia lírica e altamente personalista deu-lhe importante posição na literatura brasileira do século XX. Órfã desde os 3 anos de idade, foi criada pela avó Jacinta Garcia Benevides. Aos 9 anos de idade já ensaiava seus primeiros versos e tornou-se professora pública aos 16.
     Iniciou sua carreira literária com a publicação de Espectros (1919), uma coleção de sonetos simbolistas e aderiu ao Modernismo com Nunca mais . . . e Poema dos Poemas (1923).  Passando a se dedicar mais inteiramente à sua carreira docente (1925-1939), publicou vários livros infantis e fundou, junto com seu marido, o pintor Correia Dias, o Centro de Cultura Infantil, no Pavilhão do Morisco, na praia de Botafogo, Rio de Janeiro (1934), a primeira biblioteca infantil do país, que viria a ser invadido e fechado pela prefeitura (1937) sob uma leviana acusação de sede de atividades subversivas, e no local passou a funcionar um posto de arrecadação fiscal.
     Defendeu os princípios da Escola Nova, a escola moderna do filósofo norte-americano John Dewey, junto com Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo e Lourenço Filho, em um período de ascensão de um estado autoritário e de uma Igreja Católica que voltava a ter influência sobre o poder central, decadente desde os princípios da República. Por exemplo, são desse período a consagração de Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil em grande festejo popular (1931) e em 12 de outubro do mesmo ano, a título de comemoração de um ano de revolução, a inauguração da imagem católica do regime: o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, além da inclusão do ensino religioso nas escolas públicas, por um decreto de Getúlio Vargas (1931).
     Também foi redatora de um jornal (1930), o Diário de Notícias, dirigindo uma seção diária dedicada à educação e à política, Página de Educação (1930-1933). Defensora as liberdades individuais, foi uma crítica ferrenha das atitudes de Getúlio Vargas, a quem se referia como Sr. Ditador. Foi pois, nesse período, que como jornalista lutou na imprensa pela democracia e contra o ensino religioso. Com essa convicção política colecionou inimigos e desafetos de seus ideais democráticos sobre liberdade, dentre eles o Ministro da Educação Francisco Campos e o crítico católico Alceu de Amoroso Lima, que anos depois em seu livro de memórias Companheiros de Viagem (1971), reconheceu na poetisa  uma grande figura feminina do modernismo.
     Ensinou literatura brasileira em Lisboa e Coimbra, Portugal (1934-1936), quando foi nomeada para ensinar na UFRJ, recém-fundada. Voltou a publicar (1939) e recebeu o primeiro prêmio de poesia daquele ano da Academia Brasileira de Letras com a obra Viagem (1939), em meio a uma grande polêmica política nacional em virtude de suas posições ideológicas, porém hoje considerado o marco de sua maturidade e individualidade. Daí em diante dedicou-se à carreira literária, publicando várias obras especialmente inspiradas em suas viagens, até que morreu no Rio de Janeiro, após dois casamentos e deixando três filhas.
     Outros seus livros de poesia publicados foram Criança meu amor (1924), Baladas para El-Rei (1925), Vaga Música (1942), Mar Absoluto e Outros Poemas (1945), Retrato Natural (1949), Romanceiro da Inconfidência (1953), Metal Rosicler (1960), Poemas Escritos na Índia (1962), Solombra (1963) e Ou Isto ou Aquilo (1964). Também escreveu em prosa, notadamente assuntos pedagógicos e folclóricos como Giroflê giroflá (1956), Escolha seu Sonho (1964) e Inéditos (1968). Além da atividade literária, durante toda a sua vida dedicou-se ao jornalismo. Após encerrar sua participação no Diário de Notícias (1933) foi contratada pelo carioca A Nação, no qual era proibida de escrever sobre política. Na década de 40 escreveu sobre folclore para o A Manhã, na década de 50 voltou ao Diário de Notícias e, na de 60, colaborou com a Folha.
Fonte: SÓ BIOGRAFIAS (http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/CeciliaM.html
)

Momento lírico 89

NOITE DE LUAR
(Karl Fern)

Um dos costumes sertanejos
Da minha antiga zona rural
De um significado especial
Energia elétrica não havia
Trabalhava-se todo o dia
E dormia-se depois da ceia
Numa rotina em cadeia
No mais perfeito civismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Do horizonte do nascente
Subia suspensa no infinito
Sem nuvens ficava mais bonito
Astro de luz e de suavidade
Seus raios davam a claridade
Como o canto de uma sereia
Que no marinheiro semeia
O desejo de flutuar no abismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

O mundo todo iluminado
Tomava de alegria a alma
Trazia uma fleuma de calma
Sentia-se o matuto encantado
Por Deus um abençoado
Sorridente e feliz da vida
Crendo na sorte prometida
Envolvido de diletantismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

De quatro em quatro semanas
Ocorriam aqueles momentos
De todos os acontecimentos
Era um dos mais bacanas
Fossem em casas ou cabanas
Isoladas ou em aldeia
Rodeadas de pedra ou areia
Livre de qualquer pessimismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Depois que a turma jantava
Apagava-se até o candeeiro
Iam todos logo pro terreiro
Cada um num canto sentava
O vizinho vinha e proseava
Falava-se da vida alheia
Era o que desse na veia
Não existia proselitismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Sem medo de sujeira ou noda
Toda a meninada brincava
Corria, gritava e arengava
Ou até cantava uma moda
Enquanto adultos faziam roda
Feito abelha na colmeia
Um deitado numa “rede veia”
Pra aliviar o reumatismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Ali se conversava de tudo
De piadas a histórias danadas
De vivos ou de almas penadas
De deixar qualquer um mudo
De arrepiar o couro cabeludo
A mentira rolava solta e meia
Quem duvidasse ia pra “peia”
Longe de qualquer ceticismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Namorados ficavam num banco
A moça sempre se comportava
O canto do olho da mãe vigiada
“Armada” com pesado tamanco
Um sorriso em nada franco
Aquele que todo noivo receia
Em tramar pra chegar na teia
Idealizar algum mecanismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia

Até que o sono chegasse
Pois amanhã seria outro dia
Todo mundo se divertia
Não havia quem se entediasse
Se o assunto fosse ou voltasse
Se a aranha fizesse sua teia
No olho caísse um cisco de areia
Livre de qualquer egoísmo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia.

Que saudade e que tristeza
Foi-se o tempo de tanta paz
Que hoje não temos mais
Não se aprecia a natureza
Nem se valoriza sua riqueza
Nesse mundo que nos rodeia
Essa ganância profunda semeia
Enche-nos de negativismo
Nada tinha mais lirismo
Que uma noite de lua cheia.


sábado, 27 de outubro de 2012

28 de outubro: Dia do servidor público

A data foi instituída no governo do presidente Getúlio Vargas (1882-1954)*, através da criação do Conselho Federal do Serviço Público Civil, em 1937. No ano seguinte seria fundado o Departamento Administrativo do Serviço Público do Brasil, onde esse tipo de serviço passou a ser mais utilizado.
As leis que regiam os direitos e deveres dos funcionários que prestariam serviços públicos foram definidas no decreto nº 1.713, de 28 de outubro de 1939. O atendimento nos serviços públicos passou a ser um direito oficial da população do Brasil.
Décadas depois, em 11 de dezembro de 1990, foi publicado o novo Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. A Lei nº 8112 de 11 de dezembro de 1990; revogou a Lei nº 1.711, de 28 de outubro de 1952, e respectiva legislação complementar, bem como as demais disposições em contrário, alterou várias disposições da antiga lei. Os direitos e deveres desses servidores estão definidas e estabelecidas na Constituição Federal do Brasil, além dos estatutos das entidades em que trabalham.
Também nesta data se comemora:
- Dia de São Judas Tadeu - Santo da Igreja Católica
- Dia de São Simão - Santo da Igreja Católica
- Dia Internacional do Animador
- Dia do Engenheiro Aeronáutico - Brasil
- Dia do Flamenguista[1] (Rio de Janeiro, Brasil).

* Getúlio Dornelles Vargas nasceu no dia 19 de abril de 1882, em São Borja, no Rio Grande do Sul. Alterou o ano de seu nascimento para 1883 por razões desconhecidas. O fato foi descoberto somente no ano do centenário de seu nascimento, quando a igreja onde havia sido registrado divulgou sua certidão verdadeira. A falsificação descoberta por estudiosos constava do atestado militar apresentado por ele à Faculdade de Direito de Porto Alegre (http://educacao.uol.com.br/).

Fonte: WEB

Macarrão saudável

Sendo parte da dieta de tanta gente, a eCycle aproveita a semana do dia mundial do macarrão (25 de outubro) para apresentar uma receita simples, rápida, nutritiva e saudável que envolve esse alimento tão importante para os brasileiros. Mas antes, algumas dicas:
- Na hora de comprar o macarrão, dê prioridade aos tipos feitos com farinha de trigo integral ou com farinha de linhaça (a última não contém glúten);
- A receita a seguir não utiliza macarrão instantâneo, conhecido como Lamen, mas procure evitá-lo em sua dieta. Ele possui grande quantidade de sódio. A indústria alimentícia reconheceu o erro e irá reduzir gradativamente o nível da substância nos diversos tipos de macarrão instantâneo (principalmente nos temperos) até 2014. O acordo foi firmado com o Ministério da Saúde;
- Quando for comprar legumes e verduras, prefira os produzidos localmente, assim se evita degradação do produto e emissões de poluente por causa do transporte;
- Opte por legumes e verduras orgânicos, pois não contêm agrotóxicos em seu processo de produção.
Receita
Salada de macarrão com rúcula ao vinagrete de laranja
Ingredientes:
Salada
-500 gramas de massa curta de grano duro cozida al dente
-250 gramas de queijo tipo muçarela cortado em cubos
-200 gramas de ervilhas frescas escaldadas
-200 gramas de palmito cortado em cubos
-200 gramas de cenoura crua ralada
-100 gramas de salame fatiado e cortado em tiras ou a gosto
-200 gramas de creme de leite UHT
-Água se necessário
-100 gramas de maionese
-Cheiro verde a gosto
Vinagrete
-1/2 xícara das de chá de suco de laranja
-1/2 xícara das de chá de azeite
-1/4 xícara das de chá de vinagre de vinho branco
-1 colher das de sobremesa de mel
-1 colher das de sobremesa de gengibre ralado
-Folhas de rúcula a gosto para servir.

Modo de preparo
Misture bem todos os ingredientes da salada e sirva sobre as folhas de rúcula temperadas com o vinagrete de laranja. Sirva bem gelada.

Fonte: eCYCLE (http://www.ecycle.com.br/component/content/article/62-alimentos/1115-macarrao-pode-ser-mais-saudavel.html)
 

Aterro Sanitário

O Aterro Sanitário é um processo de tratamento de resíduos sólidos bastante utilizado, segundo estudos, viável técnica e economicamente para populações acima e 50 mil habitantes contribuintes. Consiste na deposição controlada de resíduos sólidos no solo, espalhado com trator e sua coberto diariamente com terra, formando uma morro com o tempo. Futuramente este morro poderá se tornar um espaço de reflorestamento, pois é rico em matéria orgânica.
Este processo é apropriado para condicionamento de lixo domiciliar que, fundamentado em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, permite a deposição segura em termos de controle de poluição ambiental.
Antes de se projetar o aterro, são feitos estudos geológico e topográfico para selecionar a área a ser destinada, para que sua instalação não comprometa o meio ambiente. Uma vez depositados, os resíduos sólidos se degradam naturalmente por via biológica até à mineralização da matéria biodegradável (através da ação de bactérias), em condições fundamentalmente anaeróbias (sem a presença de oxigênio atmosférico).
O aterro sanitário é uma obra de engenharia que deve ser orientada por quatro objetivos:
      - diminuição dos riscos de poluição provocados por cheiros, fogos, insetos;
       - utilização futura do terreno, através de uma boa compactação e cobertura de terra;
       - minimização dos problemas de poluição da água, provocados pelo chorume;
       - controle da emissão de gases (liberados durante os processos de biodegradação)  
Esse processo tem as seguintes vantagens e desvantagens:

Vantagens
Desvantagens
Processo de baixo custo
Recuperação de áreas degradadas
Flexibilidade de operação
Não requer pessoal muito especializado
Longa imobilização do terreno
Necessidade de grandes áreas
Necessidade de material de cobertura
Dependência das condições climáticas

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Água subterrâneas x Águas de superfície

Para quem mora em áreas onde não existe abastecimento público de água, aqui vamos mostrar as comparações entre ambas. São águas subterrâneas as de poços escavados, cacimbas e cacimbões. São ditas águas de superfície são as águas de córregos, rios, lagoas, açudes, barragens etc.
Em princípio, todas as águas de superfície devem ser consideradas como águas suspeitas e devem ser tomadas todas as precauções possíveis do ponto de vista sanitário, quanto ao aproveitamento das águas de superfície como manancial.
As  fontes de água subterrâneas devem ficar afastadas pelo menos 40 metros de pontos de contaminação como currais, fossas, sumidouros e canaletas de água superficiais.
Água subterrâneas
   As principais vantagens da utilização de águas subterrâneas são:
-     normalmente apresentam boa qualidade para consumo humano, a não ser em locais, onde haja excesso de minerais, principalmente sais "debaixo da terra" por onde a água "passa" até chegar ao local onde é retirada;
-     é fácil de ser encontrada, principalmente em terrenos arenosos, embora nem sempre na quantidade total necessária;
-     em geral requer menos gastos para as instalações de retirada;
-     tem menos chances de contaminação, principalmente as mais profundas; 
-     permite melhor controle sobre a área onde a água vai ser retirada diminuindo também as chances de contaminação.
Águas da superfície
   Sua escolha como manancial de um sistema de abastecimento de água de uma comunidade, depende de alguns cuidados que devemos levar em conta. São eles:    
-     ponto de tomada livre de focos de poluição (seguindo a correnteza ou os ventos, antes da entrada de esgotamentos, locais de lavagens, mangas de gado, etc.);
-     a utilização de crivos, grades e caixa de areia para proteção das bombas contra pancadas e entradas de corpos flutuantes (coisas que boiam), peixes, folhas, garranchos etc;
-     localização da tomada, sempre que possível, afastada das margens do manancial.

Tratamento de esgotos sanitários - ETEs

Ao contrário do que ocorria no passado, a poluição hoje é vista como nociva para todos e, com isso, os cuidados com ela também merecem destaque! Assim os investimentos na área de saneamento e meio ambiente, além de serem exigidos pela legislação, trazem inúmeros benefícios a saúde preventiva da população e até financeiros quando instalados e operados com tecnologia adequada ao empreendimento.
Chama-se de ETE - Estação de Tratamento de Esgoto - a unidade operacional do sistema de esgotamento sanitário* que através de processos físicos, químicos ou biológicos removem as cargas poluentes do esgoto, devolvendo ao ambiente o líquido final tratado, em conformidade com os padrões exigidos pela legislação ambiental.
O local de uma ETE tem de ser estrategicamente escolhido, de modo que ela fique isolada do contato da população e seu efluente possa ser reutilizado com segurança ou lançado na natureza sem prejuízo ao meio ambiente local.
Os principais tipos de ETE’s são as que operam com as seguintes tecnologias:
1 - Lagoas de estabilização (para locais onde há disponibilidade de grandes áreas);
2 - Lodos ativados (para locais onde os espaços são pequenos ou terrenos muito caros);
3 - Filtros biológicos aerados;
4 - Biodiscos (locais onde a energia é barata);
5 - Sistemas individuais (descentralizados e bom para geração de pequenas quantidades de energia);
6 - Reator Anaeróbio de Manto de Lodo - Reatores anaeróbios de fluxo ascendente, RAFA ou UASB (bom para pequenos volumes e locais sujeitos a inundações).
Vários fatores influem na escolha do tipo de processo de tratamento a ser empregado em cada caso. Não existe um tratamento mais eficiente que outro nem um mais barato: EXISTE O MAIS CONVENIENTE! O importante é definir a tecnologia mais adequada à realidade regional, tendo como base princípios de sustentabilidade, procurando harmonizar os pontos de vistas econômico, social e ecológico.

* Chama-se de sanitário o esgoto de origem doméstica (pias, lavatórios, sanitários, banhos etc)

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Sobre feriados

Como alguns leitores podem ter dúvidas de como relacionar os feriados nacionais, então aprontamos este texto. De acordo com a Lei º 9.093/95 e 9.335/96 são feriados civis:
- Os declarados em lei federal;
- A data magna do Estado fixada em lei estadual;
- Os dias do início e do término do ano do centenário de fundação do município, fixados em lei municipal.
IMPORTANTE: São feriados religiosos os dias de guarda, declarados em lei municipal, de acordo com a tradição local e em número não superior a quatro, neste incluída a Sexta-Feira da Paixão.
FERIADOS CIVIS OU NACIONAIS DECLARADOS POR LEI FEDERAL nºs: 6.802/80 e 10.607/2005.
Dia
Mês
Natureza
01
Jan
Confraternização Universal
21
Abr
Tiradentes
01
Maio
Dia do Trabalho
07
Set
Independência do Brasil
12
Out
Nossa Srª Aparecida
02
Nov
Finados
15
Nov
Proclamação da República
25
Dez
Natal